Diogo: “O ângulo não calculado é aquilo que me interessa”

Transcender linguagens sonoras como o house ou jungle, adicionando-lhe novos prismas. É assim Diogo no mais recente disco, Ruff Trax.

Foto
DR

Há em Gil Vicente St., um dos temas incluídos em Ruff Trax, o mais recente e excelente registo de Diogo, ecos da cena jungle ou drum & bass que tomou de assalto ou ouvidos e as pistas de dança da Europa nos anos 90. Mas a sua acção não é de recalcamento do passado. Há novos ângulos para explorar e novos sentidos e tonalidades para atribuir.