Marca portuguesa quer ver um emoji oficial de uma família com um cão

Se os cães fazem parte da família, porque é que não existe um emoji que os represente? Foi a pensar nisto que a Barkyn lançou uma petição internacional para tornar oficial o dog family emoji. E está a 3500 assinaturas de o conseguir.

Foto
Barkyn

Porque é que não existe um emoji que represente uma família com um cão? Há emojis para a vergonha, para a alegria, para o menino e para a menina, mas, no meio de tantos, não há um que represente a felicidade de uma família com um cão.

Por toda a Europa, mais de 85 milhões de famílias têm cães e foi a pensar nelas que a Barkyn, uma startup portuguesa criada em 2017 destinada a oferecer serviços personalizados como consultas veterinárias, brinquedos e ração para cães, lançou uma petição internacional para criar o emoji ​de uma família com um cão.

“Todos os dias conversamos, passamos emoções ou estados de espírito por via dos emojis. Já não há como fugir deles: substituem palavras ou enaltecem como nos sentimos. Mas rapidamente reparámos que não existia um emoji que espelhasse o cão como membro integrante da família”, começa por explicar ao P3 Sofia Oliveira, chefe de marca.

O emoji oferece nove versões diferentes de família. “Quando desenhamos o emoji dog family foi intencional representar um leque variado do que são as várias tipologias de família”, esclarece. “Queríamos que este emoji espelhasse uma família em todas as suas formas.”

Foto
O "Dog-Family" emoji conta com nove versões diferentes, mas a marca vai criar mais Barkyn

Nas versões encontram-se representadas as famílias heterossexuais e homossexuais, com ou sem filhos. A Barkyn pretende ainda criar novas versões para que as famílias monoparentais também estejam ilustradas.

Para que o emoji dog family se concretize e fique disponível no teclado universal da Unicode a tempo do Dia da Família, a 15 de Maio, como deseja a marca, são necessárias 5000 assinaturas.

Até ao momento, 1500 apaixonados por animais de países como Portugal, Espanha e Itália assinaram a petição.

Texto editado por Ana Maria Henriques