A avó-estrela do lago Baical: aos 79 anos, Baba Liuba vive e desliza no gelo “com o coração”

Vive sozinha, com os seus animais no “prístino, poderoso” lago da Sibéria. E parece à prova do tempo, tal como os seus patins: foram feitos pelo pai em 1943. Um campeão olímpico já lhe ofereceu uns patins high tech, mas ela, já uma estrela internacional, gosta mais dos dela. Por essa e por outras, é já um símbolo do Baical.

inverno,fotogaleria,gelo,siberia,fugas,russia,
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov
inverno,fotogaleria,gelo,siberia,fugas,russia,
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov
inverno,fotogaleria,gelo,siberia,fugas,russia,
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov
inverno,fotogaleria,gelo,siberia,fugas,russia,
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov
inverno,fotogaleria,gelo,siberia,fugas,russia,
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov
Lago Baikal
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov
,Amin Ghaseminejad
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov
,Ator
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov
,Lago
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov
Sibéria
Fotogaleria
REUTERS/Yuri Novikov

“Por que é que continua a patinar?”
"Porque o meu coração anseia por isto.”

Lyubov Morekhodov, 79 anos, vive sozinha nas margens do lago Baical, na Sibéria russa. A fama já não é novidade para esta resistente. Há alguns anos foi fotografada a “dançar” no gelo com os seus patins artesanais e a Internet e os media fizeram o resto.

Agora, Baba Liuba (avózinha Liuba, como lhe chamam na Rússia) voltou à ribalta porque a Reuters a visitou. Na sua casa isolada, vive feliz, diz. Os filhos vivem a mais de 300km e ela tem a companhia dos seus cães de guarda, das suas vacas e galinhas. Para ir buscar mercearias e afins, patina uns 40 minutos para lá, 40 minutos para cá, até à urbe mais próxima.

“Preciso dos patins para tratar das minhas compras. E também só para me divertir. Para deslizar ou para ir ver as minhas vacas”, diz, explicando: “Assim posso patinar para um lado e para o outro, que andar na neve é duro”.

“Ainda há bocadinho fui ali, dei uma vista de olhos. As minhas vacas não estavam lá, por isso patinei pelo gelo para o outro lado e vi-as. Andavam a passear perto da montanha. Chamei-as. Elas voltaram para casa”.

“É assim. E mesmo sem ter coisas a fazer, vou patinar no gelo quando me apetece”. Sempre “com o coração” e, aparentemente, sem grandes preocupações nem medos de quedas.

Como se não bastasse, Baba Liuba usa os seus já célebres patins de madeira e lã, feitos pelo pai quando ela era criança, em 1943. Quando há uns anos se tornou uma celebridade, o patinador e campeão olímpico russo Evgeni Plushenko​ ofereceu-lhe uns patins modernos, tecnologia de ponta. Nada feito, prefere os dela.

Patinar e morar no lago, na região siberiana de Irkutsk, com mais ou menos gelo, é a coisa que ela mais gosta na vida. “O Baical é a melhor coisa no mundo. É prístino, natureza virgem. Está acima de tudo, tudo”.

Para ela, o Baical é algo de espiritual, mítico, como dizia em 2018 à Deutsche Welle, numa reportagem que ajudou a internacionalizar a fama. “Poderoso e livre Baikal”, cantou a avó do lago. Na reportagem alemã, uma coisa que ficou provada é que além dos patins também tem a língua afiada. Sem medos. Tanto critica os exageros da igreja (no caso, a ortodoxa russa), como dos que só querem “ouro e palácios”. “De uma maneira ou outra, vamos todos morrer, seja num palácio, seja aqui”. Uma grande gargalhada no fim desta tirada põe ponto final à conversa.

Quando fotografias e vídeos das suas “coreografias” no gelo se tornaram virais, chegou a ir à televisão russa e foi também alvo de vários trabalhos sobre a sua vida no Baikal, como este abaixo (em russo) da Current Time TV.