MP suspeita que coronel dos Comandos quis ocultar estado grave de recruta que veio a morrer

MP diz que terá dado ordens para caso ser resolvido sem ser do “conhecimento público”. Procuradora aponta “factos novos” para substituir outros que considera incorrectos ou insuficientes. Tribunal deverá pronunciar-se depois de analisada posição das defesas dos arguidos que se opõem.

Foto

O julgamento entrou na sua fase final mas o Ministério Público (MP) quer acrescentar factos directamente ligados às circunstâncias da morte de Hugo Abreu, o primeiro dos dois recrutas que morreram no curso 127 dos Comandos em Setembro de 2016.