Covid-19 já provocou 2254 mortes entre utentes dos lares de idosos

O país registava na sexta-feira 223 surtos em estruturas residenciais para idosos, com um total de 6603 casos de infecção.

Foto
Governo garante que não foram registadas até agora "reacções adversas" entre os idosos vacinados nos lares Daniel Rocha (arquivo)

Desde que a pandemia começou já morreram 2254 idosos institucionalizados em lares, segundo o balanço da Direcção-Geral da Saúde (DGS), que dá conta ainda de um total de 223 surtos activos em lares, dos quais 122 em Lisboa e Vale do Tejo, 30 no Centro, 38 no Norte, 19 no Alentejo e cinco na região do Algarve.

Entre os óbitos acumulados desde o início da pandemia, a maior parte (883) ocorreu na região de Lisboa e Vale do Tejo, no Centro (com 600 casos mortais) e no Norte (591 casos). No Alentejo, houve 161 mortes entre os idosos institucionalizados em estruturas residenciais e 19 no Algarve.

Os números foram actualizados numa altura em que se aproxima do fim a primeira fase de vacinação nos lares de idosos, sendo que o que se previa era que até ao dia 8 de Janeiro estariam vacinadas cerca de 12 mil pessoas, entre funcionários e idosos, de 150 lares espalhados pelos 25 concelhos de “risco extremo” em termos de incidência da covid-19. Ao PÚBLICO, o Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social (MTSSS), que tutela os lares, não adiantou se as vacinas chegaram ao universo previsto, garantindo, porém, que “o processo está a decorrer com toda a normalidade”.

Sabe-se, porém, que de fora desta primeira fase da vacinação, que arrancou no dia 27, ficaram os lares com surtos activos de covid-19. E, segundo a DGS, há actualmente 223 surtos em lares de idosos, dos quais 38 na região Norte, 39 no Centro, 122 em Lisboa e Vale do Tejo, 19 no Alentejo e cinco no Algarve. No total, existiam na última sexta-feira 6603 casos de covid-19 em lares.

Os idosos institucionalizados em lares inseridos nos concelhos de “risco extremo” (mais de 960 novos casos de infecção por 100 mil habitantes nos últimos 14 dias) foram o segundo grupo prioritário – a seguir aos profissionais de saúde – nesta primeira fase da campanha de vacinação.

Numa altura em que foram já administradas 70 mil doses de vacinas em Portugal, conforme divulgado na sexta-feira pela DGS, no tocante aos lares “não existe até à data qualquer indicação de reacções adversas”, garantiu ainda fonte do MTSSS. A partir de segunda-feira, a vacinação deverá alargar-se aos lares de outros concelhos, sendo que, segundo a ministra Ana Mendes Godinho, a ideia é administrar cerca de 200 mil vacinas em lares de idosos entre Janeiro e Fevereiro, nos próximos dois meses, entre a primeira e a segunda doses.

O país contava, em Setembro, cerca de 99 mil utentes institucionalizados nas 2520 instituições residenciais para idosos existentes no país. Daquelas, 1673 pertencem à chamada rede solidária (misericórdias e instituições particulares de solidariedade social, com quem o Estado estabelece acordos de cooperação) e 847 à rede lucrativa. Fora desta contabilidade estão os lares ilegais, cujos utentes serão igualmente abrangidos pela vacinação que começou no dia 27 de Dezembro.