Vacinação nos lares arranca esta segunda-feira em Mação

Serão vacinadas 112 pessoas. O Centro de Idosos de S. José das Matas e a Santa Casa da Misericórdia de Cardigos serão os primeiros locais a receber as vacinas.

Foto
O médico António Sarmento, do Hospital de S. João, foi o primeiro português a ser vacinado, a 27 de Dezembro Paulo Pimenta

As primeiras vacinas destinadas às estruturas residenciais para idosos e às unidades da rede de cuidados continuados integrados deverão chegar a Portugal ainda este domingo e começar a ser utilizadas esta segunda-feira. Dois espaços no concelho do Mação, o Centro de Idosos de S. José das Matas e a Santa Casa da Misericórdia de Cardigos, serão os primeiros a recebê-las.

Já se sabia que esta semana seria aquela que, a correr tudo dentro do previsto, veria o arranque da vacinação aos funcionários e utentes dos lares de idosos em Portugal continental. A ministra da Saúde, Marta Temido, fugiu sempre à indicação de uma data exacta, mas o secretário de Estado da Saúde, Diogo Serra Lopes, na passada segunda-feira, indicou este dia 4 como o do arranque da vacinação nestes locais. Contudo, a possibilidade de as vacinas da BioNTech-Pfizer só chegarem nesta segunda-feira levou ao regresso das cautelas e, este sábado, fonte do Ministério da Saúde garantia que antes de terça-feira não seriam administradas as primeiras vacinas nestes locais prioritários.

Agora, tudo mudou de novo. Numa nota de agenda enviada às redacções, o Ministério do Trabalho, da Solidariedade e Segurança Social confirma o início do processo, pelas 15h, nas duas instituições de Mação. Serão vacinadas 51 pessoas no centro de dia e 61 na misericórdia. A ministra Ana Mendes Godinho e a secretária de Estado da Acção Social, Rita Mendes, estarão presentes.​

Na semana passada, Marta Temido anunciou que a vacinação arrancaria esta semana, em 150 estruturas já identificadas nos 25 concelhos do país que se encontravam com risco extremo de covid-19. De fora ficam, para já, os espaços com surtos activos, até que a situação estabilize nesses locais.

“Muita ansiedade”

Mação está identificado como tendo risco moderado, mas a situação complicou-se nos últimos dias em duas ERPI do concelho. O presidente da câmara, Vasco Estrela, diz desconhecer se foi esse factor que levou à escolha do local para marcar a chegada da vacinação aos lares no continente. “Só nos foi comunicado que seria aqui. Provavelmente, com os dados mais recentes, estamos já com risco extremo”, disse ao PÚBLICO, este domingo.

Nos últimos dias do ano, o autarca alertava para o que dizia ser a situação “crítica” que se vivia na Santa Casa da Misericórdia de Mação, com vários utentes e funcionários infectados. A 31 de Dezembro eram 93 os casos positivos e havia também três funcionários infectados no Centro de Dia da Aboboreira. “A situação está a melhorar ligeiramente e tende a normalizar, mas ainda carece de muitos cuidados”, disse, este domingo, Vasco Estrela.

O presidente da Confederação Nacional de Instituições de Solidariedade​ (CNIS), Lino Maia, afirma que a vacinação nesta fase se deverá estender por quatro dias e chegar a um universo de 12 mil pessoas. Depois de ter dito ao PÚBLICO que gostava de ver a vacinação nos lares concluída antes de 6 de Março – data simbólica que marca um ano desde que as visitas a estas instituições foram suspensas –, o responsável da CNIS diz agora que “a perspectiva é que possa estar concluída um pouco antes dessa data”. 

Tanto ele como Manuel Lemos, da União das Misericórdias, dizem desconhecer qualquer caso de recusa de vacinação, entre as pessoas que foram directamente questionadas ou entre as responsáveis por autorizarem idosos que não tenham capacidade para darem, eles mesmos, o consentimento informado. “A informação que tenho é que, pelo contrário, há muita ansiedade para que a vacinação comece”, diz Lino Maia. 

Depois do arranque da vacinação contra a covid-19 a profissionais de saúde, chega agora a vez de os lares e unidades de cuidados continuados começarem a receber as vacinas. Para isso, conta-se com a chegada de 79.950 doses em cada uma das quatro semanas de Janeiro. Na semana passada, Marta Temido esclarecia que esta é uma quantidade semelhante à que foi recebida em Dezembro, em duas entregas.

Ao contrário do que aconteceu no continente, o arquipélago dos Açores optou por iniciar a vacinação simultaneamente em profissionais de saúde e idosos institucionalizados, num processo que arrancou a 31 de Dezembro. Já a Madeira deverá a começar a vacinar os utentes e funcionários de lares também esta segunda-feira.