Caso do procurador: Van Dunem responsabiliza serviço interno e vai corrigir “lapsos” na carta de defesa de José Guerra

Ministério da Justiça admite “lapsos” na justificação da escolha de José Guerra enviada ao Conselho da União Europeia.

Foto
Francisca Van Dunem LUSA/JOSÉ SENA GOULÃO

O Ministério da Justiça admite que a carta enviada ao Conselho da União Europeia sobre a escolha de José Guerra para procurador europeu, contrariando um júri internacional, tem “lapsos” e informação “errónea”, que serão corrigidos junto daquela instituição. Em comunicado, divulgado ao final da tarde desta quinta-feira, o Governo garante que “agiu, em todo este processo, com total boa-fé e com respeito pelas atribuições dos órgãos nacionais competentes para a gestão das magistraturas”.

Em causa está a carta, divulgada na quarta-feira, enviada para o Conselho da União Europeia, em Novembro de 2019, durante o processo de selecção do procurador europeu, em que o Ministério da Justiça justificava a escolha de José Guerra com aspectos do seu currículo que eram incorrectos. No comunicado, o ministério de Francisca Van Dunem identifica o serviço interno responsável pelo documento – a Direcção-geral de Política da Justiça – e admite “dois lapsos”: um é a referência a “procurador-geral adjunto” que nem José Guerra nem outro dos candidatos ao cargo detêm.

O outro lapso, que é identificado como informação “errónea”, tem a ver com a qualidade em que José Guerra interveio no processo da UGT. A carta referia que tinha liderado a investigação deste caso de fraude com verbas comunitárias, mas a nota do Ministério da Justiça vem agora reconhecer que o candidato foi procurador de acusação no julgamento. A confusão terá sido com a sua intervenção no processo da Junta Autónoma de Estradas em que “assegurou a direcção da investigação”.

Assumindo que “a nota da direcção-geral de Política de Justiça, com essas incorrecções, foi reproduzida numa comunicação” enviada ao Conselho da União Europeia, o ministério da Justiça “diligenciará no sentido de a Representação de Portugal Junto da União Europeia – Reper fornecer ao Conselho informação adicional, rectificando os lapsos detectados”.

No comunicado, a tutela de Francisca Van Dunem mantém a escolha de José Guerra, sustentando que é o candidato com mais antiguidade face à procuradora Ana Carla Almeida, que foi a opção do júri internacional do concurso da Procuradoria Europeia.

Criada em 2017, a Procuradoria Europeia é um órgão que irá investigar crimes económicos que lesem os interesses no espaço europeu. José Guerra é um dos 22 procuradores e tomou posse em Setembro passado.

O PSD e o CDS já pediram explicações sobre este episódio de uma polémica já com alguns meses.