2020, um ano horribilis

Tendo chegado Dezembro de 2020, aqui estou eu a tentar fazer o meu balanço anual. Assumo que escrever este “resumo”, que pretendo que seja sempre, acima de tudo, positivo, não é muito fácil. Mas não faz parte da minha personalidade olhar apenas e só para o lado mau e triste das situações.

Foto
Unsplash

Quer o ano tenha sido, para nós, de sonho, como por vezes acontece sem qualquer outra razão que não seja o alinhamento dos astros, ou que tenha sido um perfeito pesadelo, provavelmente pelas mesmas razões, a verdade é que é quase impossível chegarmos aos últimos dias de Dezembro sem fazermos um balanço de como foi o ano que passou. Pelo menos isso acontece comigo todos os anos.

Assim sendo, e tendo chegado Dezembro de 2020, aqui estou eu a tentar fazer o meu balanço anual. Assumo que escrever este “resumo”, que pretendo que seja sempre, acima de tudo, positivo, não é muito fácil. Quando olho para trás, penso nuns apreensivos primeiros dois meses do ano em que fomos vivendo e, ainda que com algum receio, festejamos o Carnaval. E depois? E depois tudo se precipitou. Os casos de covid-19 começaram a aparecer, chegaram os confinamentos, o trabalho em casa, o ensino à distância, o medo, o isolamento, a falta de contacto físico, a proibição dos abraços. “O que raio poderei eu encontrar para falar de positivo este ano?”, questionei-me.

O facto é que não faz parte da minha personalidade olhar apenas e só para o lado mau e triste das situações. Sempre achei que, por mais escura que seja a noite, encontraremos sempre um pequeno ponto de luz que nos possa iluminar. No fundo defendo, como defendiam os Monty Phyton, que devemos always look on the bright side of life (espero que tenham assobiado depois de ler esta frase!). Posto isto, e depois de muito pensar, lá alinhavei alguns pensamentos positivos sobre este 2020 que está a acabar.

Começo por falar no confinamento. É verdade que nos obrigaram a passar tempo e tempo em casa. E é verdade que as quatro paredes pareceram, muitas vezes, fechar-se sobre nós. Mas também é verdade que pegámos nesse tempo que nos parecia sobrar e procurámos reinventar-nos. Quantas casas não se transformaram em verdadeiras padarias portuguesas? Não posso dizer que tenha desenvolvido o gosto de cozer pão em casa mas assumo que foi uma época em que cozinhei mais doces e tartes do que o habitual.

É verdade que grande parte de nós experienciou o teletrabalho e, pelo que vou ouvindo, poucos de nós apreciaram a experiência. O meu teletrabalho traduziu-se em Ensino@Distância e nunca escondi que odiei a experiência. Mas, como em tudo o que é negativo existe algo de positivo, eis que surgiram as reuniões online. Caros leitores, no meu caso posso dizer que sou a favor das reuniões online. Mais rápidas, mais eficientes, com menos espaço para conversas paralelas. O meu desejo é que estas se mantenham por muitos e bons anos.

Penso também que 2020, por tudo o que nos tirou, ensinou-nos a reavaliar situações, a olhar para as coisas com outros olhos. Quem não suspirou de gosto, quem não olhou para aquilo que o rodeava quando realizava aquilo que se convencionou chamar de “passeios higiénicos”? Não percepcionámos nós um pouco de felicidade quando os fazíamos?

2020 foi um ano que nos afastou das pessoas, do seu contacto físico. É verdade. Passámos uma Páscoa em confinamento, imersos no medo do desconhecido, deixámos de cumprimentar com beijos e passou-bens, deixámos de dar abraços. Mas a verdade é que tudo isso aconteceu numa época em que existem as redes sociais e existe a possibilidade da videochamada. Transferimos as conversas de café, que tanto faziam parte da nossa vida do dia-a-dia, para as conversas em videochamada. Passamos do “cada um na sua cadeira” para “cada um no seu quadrado”. Pode ser um fraco substituto, é um facto, mas a verdade é que ajudou a afastar a solidão durante uns jantares e nos dias mais sombrios. Reinventámos a nossa forma de socializar, procurando combater a solidão e a tristeza e isso só pode ser considerado de um modo positivo.

2020 foi um ao em que o vírus no virou a vida de pernas para o ar. O ano que nos obrigou a viver “um novo normal” que ninguém queria viver. Mas foi também o ano em que aprendemos a combater o vírus. Aprendemos a conviver de outra forma, aprendemos a mostrar os afectos de outra forma e, mesmo no final do ano, foi descoberta a vacina contra este maldito vírus (e eu acredito que ela fará a diferença) Vivemos um daqueles pedaços da história que sabemos que irá ser escrita nos livros de história, que será relembrada por muitos anos. Vale o que vale mas ando à procura de pontos positivos, lembram-se?

Por fim: 2020 foi o ano do papel higiénico. Toda a boa tragédia tem o seu pequeno momento de comédia. Neste 2020 trágico apontaria como o pequeno momento de comédia a corrida desenfreada aos hipermercados pelo receio de que o papel higiénico esgotasse. Não era o pão (que esse aprendemos a cozer), não era o leite (bebemos chá), não eram os vegetais (assim como assim, nem como muitos vegetais no dia-a-dia). Não, caros leitores, aquilo que mais preocupou os nossos portugueses foi a possibilidade do desaparecimento do papel higiénico. Se isto não vos fez gargalhar na altura, não sei o que fará!

Feito o balanço, procurando pontos positivos, é claro que 2020 não deixa grandes memórias. Mas a verdade é que continuamos aqui, continuamos na luta, continuamos a tentar habituarmo-nos a este “novo normal” esperando, com convicção, que a “velha normalidade” volte o quanto antes. Isso é positivo! E, posso garantir-vos que no fim do ano, à meia-noite do dia 31, estarei, sozinha ou acompanhada, a comer as minhas 12 passas e a pedir os desejos para 2021. Porque a fé de que dias melhores virão, essa, ninguém me tira, E isso também é um ponto positivo de 2020: ter percebido que, no fim, possuímos uma fé inabalável.