Também é Natal na Baixa de Lisboa

Uma cidade com vida não é uma cidade que permanece no tempo; é uma cidade que afirma a sua identidade, sem deixar de receber projectos novos e inovadores, num mundo em constante mudança. Que Lisboa seja uma dessas cidades.

Foto
LUSA/ANTÓNIO PEDRO SANTOS

Quem por lá passar num destes dias, sente a diferença. Enquanto a árvore de Natal brilha no Terreiro do Paço, há menos turistas nas ruas. Falta diversidade na Baixa, e esse pode ser o maior desafio numa cidade que recupera da crise pandémica. Sendo a revitalização necessária, colocam-se outras questões: como irá a Baixa mudar nos próximos anos, sem perder a identidade?

Mesmo com o turismo revisto em baixa, as obras parecem ter continuado, imunes à pandemia. Vários hostels e lojas de souvenirs depois, a Baixa de Lisboa mudou. E talvez por falta de fiscalização, desconhecimento ou insensibilidade, perdem-se azulejos e as caixilharias são descaracterizadas. Várias lojas com história simplesmente desaparecem, sem que um único letreiro ajude a contar a história da cidade. E o que seria de Lisboa sem a Baixa Pombalina, tão racionalmente construída sobre uma cidade milenar, renascida de um terramoto para unir as várias colinas com ruas e praças amplas? Como seria, sem os quarteirões onde se ensaiou a construção anti-sísmica, o comércio floresceu e a cidade evoluiu?

Com obras intrusivas, perdem os proprietários, que vêem os seus imóveis descaracterizados. Mas também perde a cidade, esvaziada de memórias e igualada a tantas outras. E, finalmente, perde o país, que terá cada vez mais dificuldade em atrair os visitantes mais exigentes, aqueles que não se revêem na torrente do turismo de massas. A aprovação do Plano de Pormenor de Salvaguarda foi um passo importante para dar novo fôlego à Baixa Pombalina. Mas, por mais detalhado que seja, é impensável que um plano proteja tudo o que possa vir a ter interesse cultural. Também por essa razão, vários países já implementaram processos de classificação participativos, em que qualquer cidadão pode preencher um formulário electrónico, propondo a classificação de um bem imóvel.

Mesmo em Portugal, cresce a consciência do valor cultural e histórico de espaços que, de outra forma, estariam ameaçados. A nova rede de Lojas Com História ilustra bem essa tendência. Mas a corrida à classificação acontece enquanto os espaços evoluem, e deixar tudo na mesma poderia ditar a morte da cidade. Assim, a discussão sobre o que deve ser preservado, além de ser dinâmica, deve ser alargada e envolver cidadãos. 

Também parece urgente criar sensibilidade patrimonial, para que guardas de varandas e caixilharias não acabem no vazamento de entulho. Para evitar essas situações, que fazem outras cidades europeias, onde tantos proprietários são estrangeiros? Vários municípios publicam manuais de sensibilização, para que cidadãos, proprietários e investidores com interesse em reabilitação urbana, ganhem consciência sobre o impacto das boas práticas para fazer cidade.

Fazer um manual de boas práticas consome poucos recursos da Câmara Municipal. E além de esclarecer mesmo quem nunca visitou Lisboa antes, relembra que a preservação de elementos de interesse patrimonial facilita a aprovação da obra, agilizando o processo de licenciamento. É com esta proposta que, em vez de lamentar tudo o que desapareceu, será possível revitalizar a Baixa. Porque uma cidade com vida não é uma cidade que permanece no tempo; é uma cidade que afirma a sua identidade, sem deixar de receber projectos novos e inovadores, num mundo em constante mudança. Que Lisboa seja uma dessas cidades.