O (re)encontro com o cinema de Joseph Losey acontece em Janeiro

A partir de 21 de Janeiro, o programa “Joseph Losey, Cineasta Essencial” levará a várias salas do país cinco filmes do realizador americano que, refugiado em Inglaterra depois da perseguição do mccarthismo, se tornou um dos nomes fundamentais do cinema britânico da segunda metade do século XX.

Foto
O realizador tornou-se muito próximo de Harold Pinter, que assinaria o argumento de alguns dos seus filmes (três deles passarão pelo programa) DR

Para os cinéfilos portugueses 2021 arrancará sob o signo de Joseph Losey, o realizador norte-americano que, perseguido pelos delírios do mccarthismo, se exilou em Inglaterra e construiu aí uma carreira de grande destaque na cinematografia britânica da segunda metade do século XX. “Joseph Losey, Cineasta Essencial” é o título do programa que levará cinco filmes do realizador, em cópias digitais restauradas, a várias salas do país. A partir de 21 de Janeiro, o cinema de Losey passará por Lisboa, Porto, Setúbal, Braga, Figueira da Foz e Coimbra, entre outras localidades.

Joseph Losey foi contemporâneo em Inglaterra do movimento dos angry young men que, no teatro e na literatura, confrontavam o status-quo e traziam a cena uma aguda sensibilidade social, traduzida no destaque dado a personagens e cenários da classe operária, e foi contemporâneo e agente do Free Cinema, onde se procurava um sentido de real manifestado na ligação aos princípios do cinema verité, em desenvolvimento na mesma altura e que se mostrava atento à Nouvelle Vague em fermentação em França.

Perseguido nos Estados Unidos, onde nascera em 1909, no Wisconsin, pelo fundamentalismo de McCarthy (em causa, a sua ligação a grupos de teatro de esquerda e os estudos junto a Brecht, na Alemanha), chegaria a Inglaterra em 1952. Até 1984, o ano da sua morte, aos 75 anos, trabalhou com Michael Caine, Monica Vitti, Julie Christie, Jeanne Moreau, Alain Delon ou Isabelle Huppert, entre muitos outros. Em Inglaterra encontrou no dramaturgo Harold Pinter um dos seus colaboradores mais próximos. Alguns dos filmes mais recordados de Losey têm, aliás, argumento assinado por Pinter. Vamos ver três deles no programa que, pelas mãos da Leopardo Filmes, lhe é agora dedicado em Portugal: The Servant / O Criado (1963), Accident / Acidente (1967) e The Go-Between / O Mensageiro (1971). Este último será exibido numa série de sessões especiais, exclusivas ao Cinema Nimas, em Lisboa, organizadas em paralelo ao programa principal.

Além dos já referidos, o programa inclui The Criminal / Prisão Maior (1960), Eva (1962) e Mr. Klein / Um Homem na Sombra (1971). “Joseph Losey, Cineasta Essencial” arranca no Cinema Nimas, a 21 de Janeiro, e uma semana depois no Teatro Campo Alegre, no Porto. Também será exibido no Theatro Circo, em Braga, no Centro de Artes e Espectáculos da Figueira da Foz, no Cinema Charlot, em Setúbal, e no Teatro Académico Gil Vicente, em Coimbra, “entre outras salas, cineteatros e cineclubes de norte a sul do país”, informa a Leopardo Filmes em nota enviada à imprensa.

As sessões especiais reservadas ao Nimas incluem, para além de The Go-Between / O Mensageiro, The Big Night (1951, ainda rodado nos Estados Unidos), The Gypsy and the Gentleman / A Cigana Vermelha (1958), Modest Blaise / A Mulher Detective (1966) e Secret Ceremony / Cerimónia Secreta (1968).