O contributo de Marcelo para segurar Cabrita no Governo

Marcelo Rebelo de Sousa até pode ter agradado a algum eleitorado de direita, mas, desta vez, não conseguiu demitir um ministro.

Saiu-lhe pela culatra o tiro que Marcelo Rebelo de Sousa deu para demitir Eduardo Cabrita de ministro da Administração Interna. A sua intenção é compreensível, dentro dos parâmetros da politiquice de salão, em tempos de campanha eleitoral para a reeleição como Presidente da República. Até porque esta atitude provavelmente cai bem em algum eleitorado de direita, que se deliciaria a assistir aos apuros em que ficaria o primeiro-ministro, a mãos com uma crise no Governo, agravada pelo facto de Eduardo Cabrita ser um dos mais próximos e mais antigos correligionários políticos de António Costa.