Rei da Suécia sobre covid-19: “Falhámos. Temos um grande número de mortos e isso é terrível”

A Suécia, que apostou em medidas menos restritivas e numa abordagem de “responsabilização individual”, contabiliza actualmente quase 350 mil casos de infecção e mais de 7800 vítimas mortais devido à covid-19.

O rei da Suécia, Carlos XVI Gustavo, admitiu esta quarta-feira que a estratégia nacional para lidar com a pandemia de covid-19 falhou, tendo classificado como “terrível” o “grande” número de mortes registadas em território sueco devido ao novo coronavírus.

“Acho que falhámos. Temos um grande número de mortos e isso é terrível”, afirmou Carlos XVI Gustavo durante um programa televisivo, que se realiza anualmente e durante o qual a família real faz um balanço do ano que passou. “Terrível” foi também o adjectivo utilizado pelo rei sueco para classificar o ano de 2020.

A Suécia, que apostou em medidas menos restritivas e numa abordagem de “responsabilização individual”, contabiliza actualmente quase 350 mil casos de infecção e mais de 7800 vítimas mortais devido à covid-19.

“A população da Suécia tem sofrido tremendamente em condições difíceis. Penso em todos os familiares que não conseguiram despedir-se dos seus entes falecidos. Acho que é uma experiência difícil e traumática não poder dizer um adeus caloroso”, afirmou o rei sueco, citado pela BBC.

Questionado sobre se tem receio de ficar infectado pelo novo coronavírus, Carlos XVI Gustavo, de 74 anos, respondeu que “ultimamente” o risco “parece mais óbvio” e o vírus “está cada vez mais perto”. “Não é isso que se quer”, disse.

A Suécia nunca impôs confinamento nacional, tendo mantido a maior parte das escolas, bares e restaurantes abertos. O país também não tornou obrigatório o uso de máscara e optou por uma gestão mais flexível das restrições e baseada em recomendações. Porém, algumas escolas secundárias estão agora a recorrer  ao ensino à distância e estão proibidos os ajuntamentos com mais de oito pessoas em espaços públicos.

Um relatório da comissão independente criada em Julho para avaliar as decisões do país, divulgado esta semana, concluiu que a Suécia falhou na sua estratégia de protecção dos idosos da pandemia de covid-19. Mais de 90% das mortes por covid-19 registaram-se em pessoas com 70 ou mais anos e quase metade foram reportadas em lares de idosos.

Na terça-feira, o primeiro-ministro sueco, Stefan Lofven, admitiu que muitos especialistas subestimaram uma eventual segunda vaga da pandemia.