As entrevistas de Eduardo Lourenço

Foto
Nuno Ferreira Santos

O PÚBLICO entrevistou Eduardo Lourenço, que morreu esta terça-feira, aos 97 anos, várias vezes, ao longo dos anos. Esta é uma selecção de algumas das conversas publicadas. 

1992

A Europa Difusa 

L'Europe Introuvable, de Eduardo Lourenço, é o ponto de partida para uma entrevista conduzida por Eduardo Prado Coelho, publicada a 17 de Janeiro de 1992. Ver mais aqui.

2001 

“O Deus da América é a América” 

Emocionou a assistência ao falar do modo como encara a perspectiva da sua morte. “Seria uma grande falta de caridade para todos aqueles que amámos e que já morreram não nos querermos solidarizar com eles nesse destino.” Foi no colóquio “O Futuro do Futuro”, em Dezembro de 2001. Depois, deu esta entrevista ao jornalista Luís Miguel Queirós. Ver mais aqui.

2003

Eduardo (Lourenço), o rei da nossa Baviera​ 

Adelino Gomes e Carlos Câmara Leme entrevistam Eduardo Lourenço. A primeira parte da conversa sai no PÚBLICO a 23 de Maio de 2003, dia do 80.º aniversário do pensador português. Ver mais aqui.

Foto
enric vives rubio

2003

Vaca sagrada da cultura portuguesa? “Não me sinto, mas pelos vistos tomam-me!”

O telefone toca com frequência em Vence, França, onde vive desde 1975. Pedem-lhe textos, depoimentos, sobre tudo. Sente-se a “vaca sagrada” da cultura portuguesa? “Não me sinto, mas pelos vistos tomam-me!” Segunda parte da entrevista de Adelino Gomes e Carlos Câmara Leme com Eduardo Lourenço. Sai na revista PÚBLICA a 25 de Maio de 2003. Ver mais aqui. 

2007

Retrato de um pensador errante

Tinha acabado de publicar mais uma recolha de ensaios: As Saias de Elvira. Mas não é com os ensaios que começa esta conversa com Luís Miguel Queirós, em Maio de 2007. Começa pelo princípio, quando a criança que brincava numa pequena e pobre aldeia beirã ainda não sonhava que viria a tornar-se num dos mais importantes e reconhecidos pensadores portugueses contemporâneos.​ Ver mais aqui.

2013 

Esta Europa tornou-se um museu de si mesma

Na véspera de fazer 90 anos, em Maio de 2013, o tema central desta entrevista conduzida pela jornalista Teresa de Sousa é a Europa. Mas também Portugal na Europa. “Somos muito pequenos e, ao mesmo tempo, se olhar para os destinos dos países europeus que são mais ou menos da nossa dimensão, é uma espécie de milagre quase absoluto como este cantinho se conseguiu preservar.” Ver mais aqui.

Foto
enric vives rubio

2014 

Nonagenariamente bem, muito obrigado

A ideia de juntar dois amigos para recordar 60 anos de amizade não era “assaz esdrúxula”. Era um modo de falar de um tempo longínquo, de revistas que se faziam em cafés, da vida que os incendeia, de estarem nonagenariamente bem. Foi José-Augusto França que usou a expressão “assaz esdrúxula”. Tinha visto recentemente Eduardo Lourenço e o amigo parecera-lhe “deveras fatigado”. Mas não havia vestígios disso naquele domingo à tarde. Uma conversa com Anabela Mota Ribeiro que juntou França e Lourenço, publicada em 11 de Maio de 2014. Ver mais aqui.

2017

"Sei tanto agora que tenho quase cem anos como quando tinha dois"

Estamos a 10 de Julho (dia de Portugal) de 2017, no terraço da Fundação Calouste Gulbenkian, em Lisboa, num dia de muito sol e vento. “É preciso que não estejamos sempre a viver um Ronaldo colectivo, um ‘nós somos o melhor do mundo’”, diz Eduardo Lourenço nesta entrevista a Isabel Lucas. Ver mais aqui.

Foto
Rui Gaudêncio