Dicas para fazer um consumo mais sustentável nesta Black Friday

As pessoas estão cada vez mais atentas às consequências que o consumo em excesso traz e tentam, pouco a pouco, adoptar um consumo mais responsável.

Foto
“A Black Friday é um daqueles dias que não ajuda o planeta”, afirma Catarina Barreiros Ana Escobar/Lusa

Black Friday é sinónimo de promoções que acontecem, tradicionalmente na última sexta-feira de Novembro, dia marcado por muitas filas e correrias. Mas a tendência tem sido outra e há, cada vez mais, uma preocupação com uma actividade sustentável e responsável, devido às consequências ambientais e sociais que o consumo excessivo traz.

Eunice Maia, fundadora da Maria Granel, a primeira “Zero Waste Store” portuguesa, que celebra cinco anos de existência, conta que de há dois anos para cá se apercebeu de que há um maior “despertar colectivo” dos consumidores, que passaram a tomar “escolhas deliberadas”, deixando cada vez mais de lado a compra impulsiva. Também Catarina Barreiros, autora do blogue “Do Zero”, refere que há um aumento da consciencialização das pessoas, porque se importam com os “impactos do consumo e de onde alocam o dinheiro”. A pandemia “veio ainda mais, de alguma forma, acelerar esta preocupação e esta consciência”, garante a fundadora da Maria Granel, uma mercearia biológica a granel e loja de acessórios “plastic free”.

Mas como podemos ter um consumo sustentável, especialmente na semana da Black Friday em que há um maior apelo ao consumismo? “O primeiro gesto e o mais importante é parar para pensar e perceber se, além do marketing, o que queremos comprar é uma necessidade real ou se podemos recusar e não comprar”, começa por dizer Eunice Maia. Depois, é importante “perceber se não há a hipótese de fazer uma compra em segunda mão”, o que traz “uma poupança ambiental e financeira”.

O passo seguinte é pensar “como vai ser usado, como podemos prolongar a vida do produto e, quando for necessário, como podemos reutilizá-lo, ou seja, pensar no fim da vida do mesmo de forma responsável”. Assim, Eunice Maia fala da transparência que o comerciante tem de ter com o consumidor, por exemplo, na Maria Granel é possível ver uma análise do ciclo de vida de quase todos os produtos online, bem como os projectos que a compra apoia.

Para a autora “Do Zero”, que tem uma conta de instagram e um podcast dedicado à sustentabilidade​, “a Black Friday é um daqueles dias que não ajuda o planeta” e, por isso, “é fundamental fazer uma lista com o que precisamos de comprar e que não possamos reparar”. Acima de tudo, o importante “é tentar apostar mais numa Black Friday de serviços do que de produtos”, diz, acrescentando que também é errado pensar que “vale tudo” quando uma marca é sustentável. “O consumo consciente é um tema difícil, porque consumo implica gastos de carbono” e isso, embora com níveis diferentes, afecta marcas sustentáveis ou não sustentáveis.

Texto editado por Bárbara Wong