Três autores portugueses na final do prémio Oceanos

Romances de José Luís Peixoto e Djaimila Pereira de Almeida e livro de crónicas de Abel Barros Baptista entre as dez obras que se mantêm na corrida.

José Luís Peixoto
Fotogaleria
José Luís Peixoto Rui Gaudencio
Abel Barros Baptista
Fotogaleria
Abel Barros Baptista Rui Gaudencio
maria-teresa-horta,ines-pedrosa,literatura,culturaipsilon,livros,oceanos,
Fotogaleria
Djaimila Pereira de Almeida em 2018 Rui Gaudencio

A romancista portuguesa Djaimila Pereira de Almeida volta a estar entre os dez finalistas do prémio Oceanos, um dos mais importantes prémios literários de língua portuguesa, com A Visão das Plantas, depois de ter vencido a edição de 2019 com Luanda, Lisboa, Paraíso. Anunciada esta terça-feira em S. Paulo, no Brasil, a lista de dez obras que seguem para a final inclui ainda o romance Autobiografia, de José Luís Peixoto, que recebeu o primeiro prémio em 2016 com Galveias, e o volume de crónicas Obnóxio, do ensaísta Abel Barros Baptista.  

As restantes sete obras são brasileiras e incluem duas estreias no romance de autores que se tinham notabilizado enquanto contistas: José Rezende, com A Cidade Inexistente, e Itamar Vieira Junior, com Torto Arado. A Ocupação, de Julián Fuks, cujo anterior A Resistência ficou em 2.º lugar em 2016, e Carta à Rainha Louca, de Maria Valéria Rezende, são os outros dois romances destacados pelo júri, que escolheu ainda um volume de contos, Sombrio Ermo Turvo, de Veronica Stigger, e dois  livros de poesia: As Durações da Casa, de Julia de Souza e As Solas dos Pés de Meu Avô, de Tiago D. Oliveira.

Organizado pelo instituto brasileiro Itaú Cultural, com patrocínios do banco Itaú e do Estado português – através da Direcção-Geral do Livro, dos Arquivos e das Bibliotecas (DGLAB) –, o Oceanos atribui prémios aos três primeiros classificados, num montante global de 250 mil reais (38.675 euros), com o livro vencedor a receber 120 mil reais (18.564 euros), o segundo 80 mil (12.376 euros) e o terceiro 50 mil (7.735 euros).

Desde 2017 que podem candidatar-se livros em língua portuguesa publicados em qualquer lugar do mundo, e entre as 1872 obras que se candidataram a esta edição – a mais concorrida de sempre – contam-se não apenas edições brasileiras, portuguesas e dos vários países africanos de expressão portuguesa, mas também livros originalmente publicados no Canadá, nos Estados Unidos, na Espanha, na Dinamarca ou na Letónia.

Um primeiro júri elegeu 54 obras: 37 do Brasil, 15 de Portugal, uma de Moçambique e outra de Cabo Verde. Um segundo júri, de sete elementos – os ensaístas portugueses Isabel Pires de Lima, Clara Rowland e Gustavo Rubim, os escritores e críticos brasileiros Ana Paula Maia, Edimilson Pereira de Almeida, e José Castello, e o crítico literário moçambicano Nataniel Ngomane – partiram então dessa extensa lista de semi-finalistas para escolher os dez livros agora anunciados. 

A escolha dos futuros três premiados, em Dezembro, caberá agora a um novo júri, composto pelos ensaístas portugueses Carlos Mendes de Sousa e Joana Matos Frias, pelo ficcionista angolano Ondjaki, pela ensaísta são-tomense Inocência Mata, pela poetisa brasileira Angélica Freitas, e pelos professores, também brasileiros, João Cezar de Castro Rocha e Viviana Bosi.

Este esforço em envolver representantes dos vários países de língua portuguesa abrange a própria curadoria do prémio, que além da coordenadora, a gestora cultural Selma Caetano, integra o jornalista brasileiro Manuel da Costa Pinto, a a linguista cabo-verdiana Adelaide Monteiro, a quem coube anunciar, numa sessão em streaming a partir do site do Itaú Cultural, a lista dos dez finalistas, e a escritora e jornalista portuguesa Isabel Lucas, que apresentou os dez autores e conversou depois com eles por teleconferência.

Nas doze obras portuguesas que tinham chegado à lista intermédia mas não atingiram a final há cinco romances – A Imortal da Graça, de Filipe Homem da Fonseca, O Beco da Liberdade, de Álvaro Laborinho Lúcio, O Gesto que Fazemos para Proteger a Cabeça, de Ana Margarida de Carvalho, O Processo Violeta, de Inês Pedrosa, e Um Passo para o Sul, de Judite Canha Fernandes –, o livro de contos Todos Nós Temos Medo do Vermelho, Amarelo e Azul, de Alexandre Andrade, dois volumes de crónicas (Imagens Imaginadas, de Pedro Mexia, e Quotidiano Instável, de Maria Teresa Horta) e quatro livros de poemas: Fósforo e Metal sobre Imitação do Ser Humano, de Filipa Leal, Frentes de Fogo, de A. M. Pires Cabral, Giz Preto, de Gonçalo Fernandes, e O Quarto Rosa, de Francisca Camelo.