Sindicato questiona efeito prático da intervenção da ACT no teletrabalho

Carla Cardoso, presidente do Sindicato dos Inspectores do Trabalho (SIT), alerta que intervenção da ACT em caso de conflito no teletrabalho é “de difícil execução” e “sem resultados práticos para a vida dos trabalhadores”.

Foto
Autoridade para as Condições do Trabalho terá cinco dias para verificar se a recusa da empresa em adoptar o teletrabalho tem fundamento. Nelson Garrido

A intervenção da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) para dirimir conflitos quando a empresa recusa adoptar o teletrabalho nos concelhos com maior risco de contágio da covid-19 poderá não ter efeitos práticos e imediatos para o trabalhador, alerta o sindicato que representa os inspectores.

Sugerir correcção