Representação portuguesa na Bienal de Arquitectura de Veneza já tem curadores para o ciclo de debates

Atelier depA anunciou esta terça-feira o resultado da open call lançada pelo seu projecto curatorial, In Conflict, que irá representar o país no próximo ano na bienal italiana.

Foto
DR

Está tudo ainda em suspenso, como o resto do mundo, mas a representação oficial portuguesa na 17.ª Exposição Internacional de Arquitectura da Bienal de Veneza já estabeleceu o programa de debates que irá acompanhar o projecto curatorial In Conflict, assegurado pelo atelier portuense depA.

Adiada para de 2021 (deveria ter decorrido este ano, entre os meses de Maio e Novembro), a próxima edição da bienal tem como mote a pergunta lançada pelo seu curador principal, o libanês Hashim A. Sarkis: “Como vamos viver juntos?”. Os três arquitectos do depA – Carlos Azevedo, João Crisóstomo e Luís Sobral –, escolhidos pela Direcção-Geral das Artes para representar a arquitectura portuguesa na bienal italiana, decidiram responder: “Em confronto”. E para discutir o papel dos arquitectos no futuro desta disciplina e da sua relação com a sociedade, decidiram também lançar uma “open call” para um ciclo de debates, a decorrer entre Veneza e Portugal.

Lançada em Maio, esta “chamada” deu como resultado a selecção dos responsáveis pela organização de seis conferências e debates, a ocorrer entre os dias 22 de Maio e 21 de Novembro – as datas entretanto anunciadas para a nova edição da bienal.

O primeiro terá lugar em Veneza, no Palazzo Giustinian Lolin, que será o Pavilhão de Portugal, e terá como responsáveis os espanhóis Antonio Giráldez López & Pablo Ibáñez Ferrera, da editora Bartlebooth (Corunha), num debate intitulado Caring Assemblies: positions on a space-to-come. No Porto, Francisco Calheiros & Maria Cristina Trabulo irão abordar o tema Struggle within conflict; e, em Lisboa, o arquitecto Samuel de Brito Gonçalves irá discutir a questão da habitação social em Public Housing - No Silver Bullet.

O programa inclui também três conferências online: Instant City: emergency housing, refugee camps, forced mobility in a pandemic world, moderada por Bernardo Amaral & Carlos Machado Moura; Debating Lisbon’s future, com Gennaro Giacalone, Margarida Leão & João Romão; e Lines of violence, moderada pela arquitecta Patrícia Robalo.

Estes curadores foram escolhidos por um júri constituído pelos arquitectos Ana Jara, Anna Puigjaner e Jorge Carvalho, pelo investigador António Brito Guterres, pela artista plástica Fernanda Fragateiro e pelo arquitecto e editor espanhol Moisés Puente.