“Como viveremos juntos?”, pergunta a Bienal de Arquitectura de Veneza

O curador da edição de 2020, Hashim Sarkis, apelou à imaginação dos arquitectos para ajudarem a conceber “um novo contrato espacial”.

Foto
Paolo Baratta e Hashim Sarkis LUSA/ANDREA MEROLA

O arquitecto libanês Hashim Sarkis, curador da Bienal de Arquitectura de Veneza de 2020, defendeu esta terça-feira a necessidade de “um novo contrato espacial” e apelou aos arquitectos para, “neste tempo em que se se agudizam as divisões políticas e crescem as desigualdades económicas”, serem capazes de “imaginar espaços nos quais possamos viver generosamente juntos”.

Numa conferência de imprensa no palácio Ca’ Giustinian, na Praça de São Marcos, Hashim Sarkis e o presidente da Bienal de Veneza, Paolo Baratta, apresentaram as linhas gerais desta 17.ª Bienal de Arquitectura, que decorrerá entre 23 de Maio e 29 de Novembro de 2020. Actual reitor da Escola de Arquitectura e Urbanismo do MIT (Massachusetts Institute of Technology), em Boston, Sarkis escolheu uma pergunta para título desta próxima edição da bienal: “Como iremos viver juntos?”.

Na apresentação do projecto à imprensa, o curador precisou os vários sentidos que a expressão “viver juntos” pode assumir neste contexto: “Juntos como seres humanos que, apesar do individualismo crescente, anseiam por contactar uns com os outros, e com outras espécies, através do espaço real e digital; juntos como novos agregados familiares que requerem uma habitação mais diversificada em espaços mais dignos; juntos como comunidades emergentes que exigem equidade, inclusão e identidade espacial; juntos atravessando fronteiras políticas para imaginar novas geografias de associação; e juntos enquanto planeta que enfrenta crises que impõem uma acção global para que nele possamos continuar a viver”. 

Os arquitectos convidados, sublinhou Sarkis, deverão sentir-se “encorajados” a mobilizar outros profissionais – “artistas, construtores, artesãos, mas também políticos, jornalistas, cientistas sociais e cidadãos comuns” –, já que esta Bienal de Arquitectura de 2020 quer “afirmar o negligenciado papel do arquitecto como mediador e guardião do contrato espacial”. E os curadores das diferentes participações nacionais devem abordar temas “tão prementes nas economias emergentes como nas mais avançadas”, da “necessidade de habitação e equipamento social mais inclusivo”, ao objectivo de construir “um tecido urbano e territorial mais agregador”. E lembrando que o ano de 2020, com o seu simbolismo de data redonda, está mesmo aí, afirmou: “Confiamos que a colectiva imaginação arquitectónica enfrentará este momento decisivo com criatividade e coragem”.

Sugerir correcção