GNR resgata dois homens de veleiro abalroado por orcas em Sines

A embarcação foi “abalroada por duas orcas que partiram o leme”, deixando-a “à deriva e sem capacidade de manobra”. Os dois tripulantes, ambos com 70 anos, não sofreram ferimentos.

Público
Foto
O veleiro foi rebocado pela patrulha da GNR até ao porto de Sines Miguel Manso

A Guarda Nacional Republicana (GNR) resgatou no domingo dois homens, ambos com 70 anos, de um “veleiro desgovernado, perto do Cabo de Sines”, indica a entidade em comunicado.

Com 12 metros de comprimento, o veleiro fez um “pedido de socorro” quando estava a cerca de 5,5 quilómetros de distância da costa. Os militares da GNR deslocaram-se ao local com a lancha de vigilância e intercepção e concluíram que “a embarcação tinha sido abalroada por duas orcas que partiram o leme”, deixando-a “à deriva e sem capacidade de manobra”.

Os dois tripulantes estão “bem de saúde, sem ferimentos”. O veleiro foi rebocado pela patrulha da GNR até ao porto de Sines, refere ainda o comunicado. A operação foi desenvolvida pela Unidade de Controlo Costeiro, através do subdestacamento de Controlo Costeiro de Sines.

Segundo a capitão Cátia Tomás, Comandante do Destacamento de Controlo Costeiro de Sines, ao PÚBLICO, os casos reportados de ataques de orcas são mais comuns a sul de Sines, sendo esta a primeira vez nos últimos anos que há um ataque nesta zona. A maior parte dos incidentes não causam danos às embarcações.

As orcas não são visíveis da costa a cerca de seis quilómetros de distância, pelo que o ataque foi uma surpresa para a GNR, disse a capitão.

Em Setembro deste ano, o jornal britânico The Guardian reportou diversos ataques de orcas nas costas ibéricas, chegando mesmo a notar que incidentes anteriores podem ter despoletado a hostilidade das orcas contra embarcações.

Sugerir correcção