Ainda sabemos ler mapas?

Explorador, viajante, peleador, Portugal foi um dos mais prolíficos produtores de mapas da segunda metade do passado milénio. Muitos contam grandes epopeias, mas também histórias de manipulação política e jogos diplomáticos. Viagem à cartografia da Biblioteca Nacional.

descobrimentos,fundacao-calouste-gulbenkian,historia,viagens,fugas,portugal,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
descobrimentos,fundacao-calouste-gulbenkian,historia,viagens,fugas,portugal,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
descobrimentos,fundacao-calouste-gulbenkian,historia,viagens,fugas,portugal,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos
descobrimentos,fundacao-calouste-gulbenkian,historia,viagens,fugas,portugal,
Fotogaleria
Nuno Ferreira Santos

Daqui a algumas décadas (ou menos ainda) talvez sejam muito poucos os que ainda saibam ler mapas, orientar-se com um pedaço de papel, decifrar os pontos cardeais. Uma voz computorizada – a do GPS – diz-nos, a cada segundo, se devemos virar à esquerda ou à direita, sem que para isso tenhamos de saber onde estamos. O que diriam sobre isto o português Álvares Seco ou o belga Ortelius, grandes cartógrafos do século XVI, para quem foi preciso primeiro traçar a terra com os pés e depois usar a matemática e a geografia para construir documentos que marcam a história das viagens? “Eram tarefas em que eles tinham de ir de burro, pelo país inteiro, medir o ponto mais alto, os rios… Todo o trabalho que está por detrás é absolutamente inacreditável”, nota Maria Joaquina Feijão, responsável pela Área de Iconografia e Cartografia da Biblioteca Nacional de Portugal (BNP).