Novo Pacto para as Migrações da UE põe a tónica nos repatriamentos

Ao abrigo do novo “mecanismo de solidariedade”, os Estados-membros tanto podem receber dinheiro para acolher refugiados, como pagar para patrocinar o regresso de migrantes aos países de origem.

Foto
Criança no campo temporário de refugiados e migrantes em Lesbos, Grécia Yara Nardi/Reuters

A Comissão Europeia vai tentar mais uma vez, e novamente com recurso a generosos incentivos financeiros, ultrapassar as resistências e objecções de Estados-membros como a Áustria, Hungria, República Checa ou Eslovénia ao acolhimento de refugiados na União Europeia. Para isso, propõe criar um novo esquema “flexível”, que permitirá aos países que não ficam na linha da frente de chegada de migrantes optar entre receber os candidatos à protecção internacional no seu território, ou então “patrocinar” o seu repatriamento até um prazo máximo de oito meses, no caso de indeferimento desses pedidos.

Sugerir correcção