Biden prepara equipa legal para o caso de resultado das eleições ser contestado por Trump

A equipa é chefiada por dois juristas que trabalharam para Obama e, de acordo com a campanha de Biden, será “o maior programa de protecção eleitoral da história das campanhas presidenciais”.

partido-republicano,partido-democrata,donald-trump,america-norte,eua,mundo,
Foto
Joe Biden LEAH MILLIS/Reuters

O candidato democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, criou uma equipa com centenas de advogados, para a eventualidade de o adversário, Donald Trump, contestar o resultado das eleições, revelou o jornal The New York Times.

A equipa é chefiada por dois juristas que trabalharam para o Presidente Barack Obama e, de acordo com a campanha de Biden, será “o maior programa de protecção eleitoral da história das campanhas presidenciais”.

A intenção desta equipa é salvaguardar a integridade das eleições e abrir litígios quando considerar que o direito de voto está a ser violado, tendo em conta as circunstâncias particulares desta votação, em plena pandemia de covid-19, em que muitos votos serão depositados por correspondência.

Donald Trump, actual Presidente e candidato à reeleição, já avisou que pode não aceitar o resultado das eleições, considerando que o voto por correio pode distorcer a verdade democrática, acreditando que pode permitir que alguns eleitores votem mais do que uma vez.

A equipe de juristas de Biden será liderada por Dana Remus, consultora jurídica da sua campanha e ex-chefe de assuntos jurídicos da Fundação Obama, e Bob Bauer, consultor jurídico durante o mandato de Obama e que trabalha como consultor de Biden, desde o verão.

A ambos cabe a criação de uma unidade de “contencioso especial” que contará com a liderança de dois ex-procuradores e que fiscalizará centenas de advogados distribuídos por todo o país, com o objectivo de levantar possíveis acções judiciais a nível estadual ou municipal, em matéria eleitoral.

A equipe será auxiliada pelo primeiro procurador-geral durante os mandatos de Obama, Eric Holder, que coordenará as acções judiciais entre a campanha e grupos progressistas independentes ou vinculados aos democratas que analisam aspectos do processo eleitoral.

Em entrevista ao The New York Times, Bauer assegurou que há receio de que Trump venha a usar os poderes do Governo federal para benefício político, durante o processo eleitoral.

As dimensões desta operação legal da campanha de Biden mostram que os democratas têm um medo real de que o resultado da eleição de 3 de Novembro possa ser contestado no tribunal e que o vencedor da eleição só possa ser determinado dias ou semanas após o ato eleitoral, como sucedeu em 2000, quando os resultados, após a recontagem fracassada do estado da Florida foi decidido pelo Supremo Tribunal.

Sugerir correcção