Moria: como um centro de passagem se tornou o “pior campo de refugiados do mundo”

Moria é o ponto central de um sistema europeu de dissuasão de pessoas desesperadas, uma estratégia admitida até por responsáveis gregos.

Foto
As condições em Lesbos são tão más que "três meses parecem 300 anos" Elias Marcou/Reuters

A bomba-relógio explodiu. O campo de refugiados de Moria já foi descrito como “a vergonha da Europa”, “o pior campo de refugiados do mundo”, ou “o sítio onde três meses parecem 300 anos”. O sítio com casos estudados por psicólogos, de crianças que deixaram de andar e falar, comer, aguardando, em estado adormecido, que a sua situação mude. O local que, durante anos, associações de direitos humanos avisaram que iria ser palco de uma catástrofe humanitária, uma panela de pressão.