patrimonio,artes,culturaipsilon,pintura,arquitectura,arqueologia,
Fotogaleria
Sala no Museu Abade de Baçal Nelson Garrido
patrimonio,artes,culturaipsilon,pintura,arquitectura,arqueologia,
Fotogaleria
Capela do antigo Paço Episcopal HS
patrimonio,artes,culturaipsilon,pintura,arquitectura,arqueologia,
Fotogaleria
O director do museu e o arquitecto Luís Doutel frente à Casa do Abade de Baçal DR
patrimonio,artes,culturaipsilon,pintura,arquitectura,arqueologia,
Fotogaleria
A Casa de Baçal fotografada por Duarte Belo em 1998, actualmente na sala de exposições temporárias do museu DR
casa
Fotogaleria
A Casa de Baçal nos nossos dias nelson garrido

O padre-arqueólogo-historiador que legou um museu a Bragança

O Abade de Baçal é a figura-emblema deste museu centenário, que, além do previsível acervo de arqueologia e arte sacra, reserva ao visitante inesperadas pérolas de artes plásticas, de José Malhoa a Almada Negreiros. Além, claro, de contar a história da capital transmontana dos últimos séculos.

Ainda que a entrada esteja dependente da boa-vontade dos actuais proprietários, o casal Leonor e Luís Doutel — a primeira, sobrinha-neta do padre Francisco Manuel Alves (1865-1947) —, há ganhos em iniciar a visita ao Museu do Abade de Baçal (MAB) pela casa que o seu mentor habitou, praticamente durante toda a sua vida, nesta pequena aldeia dez quilómetros a nordeste de Bragança. Aí se entenderá melhor como o abade Francisco — “uma figura muitíssimo improvável, com um pensamento muito progressista dentro de uma estrutura, a Igreja, muito conservadora”, como se lhe refere o director do museu, Amândio Felício — apostou em viver nesse lugar quase fora do mundo, e daí fazer as suas viagens, tanto à capital do distrito transmontano como aos sítios onde recolhia as memórias arqueológicas da região.