Depois da quarentena, os espanhóis foram às compras de mobiliário

Os produtores de mobiliário espanhóis dizem estar sobrecarregados pela procura depois de as vendas aumentarem substancialmente em Junho. A maior parte do prejuízo deste ano pode ser colmatado.

covid19,impar,mobiliario,consumo,decoracao,empresas,
Foto
As vendas de mobiliário em Espanha aumentaram substancialmente desde o fim do confinamento Anna Costa / PUBLICO

O sector do mobiliário espanhol está a passar por um grande crescimento a nível da procura. As vendas de equipamento para a casa, incluindo mobília e electrodomésticos, subiram 9,9% no passado mês de Junho, dando a possibilidade de recuperação das perdas dos três meses anteriores, que verificaram uma queda de quase 60% em Abril.

“Não há colchões nem sofás nos armazéns. Ligámos aos fornecedores e eles dizem que estão sobrecarregados”, confirma Lidia Roza, proprietária da Casa Nueva, uma loja de mobiliário em Gijón, no norte de Espanha.

A procura é tanta que num inquérito nacional levado a cabo por uma associação de empresas de mobiliário se chegou à conclusão que é espectável que este sector chegue ao final do primeiro trimestre de 2020 com uma redução de apenas 5% das vendas, face a uma perda cumulativa de 17% até ao momento, num ano devastado pela pandemia.

“Há uma espécie de boom”, diz Vicente Sales, director de análise de mercado do Observatório de Mobiliário Espanhol, acrescentando que, embora o sector esteja a experienciar uma boa recuperação, o negócio mantém-se cauteloso, devido à incerteza do panorama económico causada pela covid-19.

Sugerir correcção