michael-glawogger,ulrich-seidl,abel-ferrara,paulo-branco,cinema,culturaipsilon,

Jessica Hausner: a flor à beira do laboratório

Com A Flor da Felicidade, a sua quinta longa-metragem, a austríaca Jessica Hausner brinca de maneira glacial e abstracta com as convenções do filme de género para falar de identidade, de personalidade — e de sociedade.

É impossível não ver A Flor da Felicidade sem sentirmos que já tínhamos visto muito do que se passa neste filme peculiarmente cerebral e intrigante, embora não exactamente da maneira como Jessica Hausner (Viena, 1972) o conta. Aliás, durante uma breve conversa com a austríaca nos foyers do LEFFEST em Novembro, quando veio a Portugal mostrar A Flor da Felicidade poucas semanas depois do filme receber no Festival de Veneza o prémio de melhor actriz para Emily Beecham, a própria cineasta admite a multiplicidade de referências desta história sobre uma cientista divorciada e a planta transgénica que criou, chamando-lhe Pequeno Joe em homenagem ao filho adolescente.