Canis ilegais. “Defensores dos animais” fazem da GNR “bode expiatório”, criticam guardas

A Associação dos Profissionais da Guarda rejeita as críticas à actuação da GNR em Santo Tirso. E exige “medidas drásticas” para defender “prestígio” e “honra” da instituição.

Fotogaleria
GNR diz que a sua acção permitiu salvar a maioria dos animais, mas pessoas acusam autoridades de lentidão Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Câmara de Santo Tirso e GNR afirmam que canil ficou parcialmente destruído Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Incêndio começou durante a noite de sábado Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Autoridades tiveram de escoltar proprietárias do "Cantinho das Quatro Patas", devido a insultos e ameaças de agressão pelos populares Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Canil foi alvo de queixas em 2017 devido às fracas condições de higiene, mas Ministério Público arquivou o processo por entender "não haver crueldade em manter animais num espaço sujo, com lixo, dejectos e mau cheiro" Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

A Associação dos Profissionais da Guarda considerou esta quinta-feira que os militares da GNR “não podem ser o bode expiatório” no caso do incêndio que atingiu dois canis ilegais no concelho de Santo Tirso e exigiu “medidas drásticas”.

“Quem esteve, desde o primeiro momento a garantir a contenção do incêndio e a preservação da vida dos animais foram os profissionais da GNR e os bombeiros, motivo pelo qual é injusto e inadmissível que o prestígio da instituição e a honra e consideração dos que a servem fique refém de expedientes políticos, sem consequências”, refere a Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR), em comunicado.

A APG exige “medidas drásticas” por parte do Ministério da Administração Interna e pelo Comando-Geral da Guarda Nacional Republicana que “não sejam letra morta” e “sejam de facto dissuasoras deste tipo de crime”.

O comunicado do APG surge após 74 animais terem morrido durante um incêndio florestal que atingiu no sábado dois canis ilegais no concelho de Santa Tirso.

O ministro da Administração Interna determinou na segunda-feira a abertura de um inquérito à actuação da GNR e da Protecção Civil no incêndio.

A Procuradoria-Geral da República anunciou a abertura de um inquérito do Ministério Público ao caso.

Segundo a GNR, a morte dos animais no incêndio não se deveu ao facto de ter impedido o acesso de populares ao local, mas à dimensão do fogo e à quantidade de animais.

A morte de cães e dois gatos carbonizados motivou reacções dos partidos políticos, com PAN, BE e PCP a exigirem explicações do Governo.

“Este caso tornou-se de tal forma mediático que se ultrapassou a si próprio. A desinformação e aproveitamento político de certos sectores, que fazem opinião com base no número de likes de publicações e comentários nas redes sociais, é deplorável, sendo que nada justificará os insultos, ameaças e afirmações difamatórias da honra e profissionalismo dos profissionais da GNR que intervieram no local e que circulam amplamente na internet”, sublinha a APG no comunicado.

A associação mais representativa da GNR avança que esta situação “faz lembrar” o incêndio de 2017 em Pedrógão Grande e, “mais uma vez, encontra-se nos profissionais da Guarda o bode expiatório quando algo corre mal”.

Para a APG, os “defensores dos animais têm boa parte da responsabilidade objectiva de situações deste tipo, ao forçarem a aprovação de uma lei que proíbe a eutanásia dos animais, ao mesmo tempo que não garante respostas de acolhimento em número suficiente e condignas ao nível dos municípios, proliferando um sistema de criação de canis geridos por particulares e de difícil fiscalização”.

Esta associação refere também que os militares da GNR que se deslocaram ao local “cumpriram ordens”.

“As forças de segurança são o rosto do Estado junto do cidadão e se estas não são respeitadas e não existe qualquer agilidade no cumprimento da lei que reconhece a gravidade da ofensa a funcionário público por via de uma maior moldura penal, então algo de errado se passa, pois neste caso até fica a caricata ideia de que os animais em causa terão maior salvaguarda da sua dignidade do que os agentes que cumpriram o seu dever no lugar e que têm o direito a ver preservadas a sua dignidade e honra”, sublinha ainda.

Sugerir correcção