FC Porto vai ter de trabalhar no “clássico” para ser campeão

“Dragões” precisam de um ponto na recepção ao Sporting para festejarem o seu 29.º título de campeão. Rúben Amorim já ganhou duas vezes a Sérgio Conceição.

Foto
Sérgio Conceição pode conquistar hoje o seu segundo título de campeão LUSA/JOSE COELHO/POOL

Um ponto é tudo o que separa o FC Porto do seu 29.º título de campeão nacional. Mas, como o Benfica não perdeu ontem nenhum na Luz frente ao Vitória de Guimarães, esse ponto terá de ser conquistado nesta quarta-feira, no Estádio do Dragão, frente ao Sporting no “clássico” da 32.ª jornada (21h30, SPTV1). Uma vitória ou um empate deixa Sérgio Conceição a celebrar o seu segundo título em três anos como técnico dos portistas. Uma derrota frente aos “leões” adia a festa por mais cinco dias, para o embate frente ao Moreirense, também no Dragão.

O facto de o campeão se poder decidir num “clássico” vai ao encontro dos desejos dos dois treinadores. Sérgio Conceição não queria ser campeão no sofá, Rúben Amorim queria que o jogo tivesse esse “extra” de competitividade para servir como mais um momento de aprendizagem para a sua jovem equipa. “Isso de ganhar no sofá ou não, a mim não me diz nada. Não muda nada no planeamento. Vamos continuar com a mesma seriedade. A ambição e a determinação vão estar sempre presentes”, dizia o técnico do FC Porto na antevisão do “clássico” feita antes do Benfica-Vitória na Luz.

Também antes de se saber o desfecho do jogo, Amorim dizia que preferia defrontar um FC Porto que precisasse de pontuar no “clássico” para ser campeão. “Terá um factor extra, que será bom para a nossa equipa. Por mim, que o FC Porto não seja já campeão hoje [ontem] pois foco-me no crescimento da minha equipa. Quero que amanhã [hoje] estejam em campo todos os factores”, referiu, por seu lado, o técnico “leonino”, cujos objectivos, depois do triunfo benfiquista frente aos vimaranenses, se resumem a segurar o terceiro lugar perante a ameaça do Sp. Braga, que está dois pontos atrás à entrada para esta jornada – à hora do “clássico” já se saberá o resultado do seu confronto com o Belenenses SAD.

Este será um “clássico” com várias baixas importantes. Conceição não poderá contar com os lesionados Marcano e Sérgio Oliveira, nem com os castigados Corona e Uribe. Já Amorim não terá disponíveis Acuña, Luiz Phellype e Luciano Vietto, para além de Mathieu, que deu por encerrada a carreira após uma lesão grave no joelho.

Conceição vs. Amorim parte III

Sem qualquer confronto do tempo em que eram jogadores (Conceição tem 45 anos, mais dez que Amorim), há um histórico curto, mas significativo, de confrontos enquanto treinadores e que é totalmente favorável ao técnico do Sporting. Na sua curta passagem pela equipa principal do Sp. Braga, Amorim ganhou os dois jogos ao FC Porto de Conceição, o primeiro um triunfo por 1-2 no Dragão a contar para a 17.ª jornada (Fransérgio e Paulinho marcaram para os minhotos, Tiquinho marcou para o FC Porto, mas falhou um penálti, tal como Alex Telles). Oito dias depois, Amorim conquistou o seu primeiro troféu como treinador, com o Sp. Braga a vencer na final da Taça da Liga (em Braga) com um golo de Ricardo Horta em tempo de compensação.

Amorim não sente que essas vitórias sejam um factor no “clássico” de hoje. “O Sérgio Conceição já foi campeão, tem mais anos do que eu e está a um ponto de ganhar mais um título. Eu não tenho ascendente, antes pelo contrário. Num desses jogos, o FC Porto falhou dois penáltis. Não vejo isso dessa forma. Ele tem títulos e é isso que eu quero para mim e para o Sporting”, observou Amorim, referindo-se ao FC Porto como “uma equipa competitiva, com muitas soluções e preparada para tudo”.

Conceição, por seu lado, também se referiu em termos elogiosos ao seu adversário de hoje. “O Rúben tem feito um excelente trabalho, tem as ideias bem definidas sobre aquilo que quer para as suas equipas”, disse o técnico portista, assinalando depois as diferenças dos “leões” actuais em relação ao jogo da primeira volta em Alvalade: “O Sporting é uma equipa diferente, com alguns jovens lançados com qualidade pelo novo treinador, dentro daquilo que é a sua ideia de jogo. Naquilo que são os resultados, efectivamente mudou para melhor e isso é sinónimo de qualidade no trabalho.”

Depois de vencer duas vezes o Benfica e uma vez o Sporting, um novo triunfo frente aos “leões” dará ao FC Porto o sempre difícil de alcançar pleno de vitórias frente aos outros dois “grandes”, mas Sérgio Conceição entende que esse feito terá pouco significado se não tiver títulos associados. “Nenhum adepto festeja os ‘clássicos’. Eles festejam é vitórias”, referiu. Para o Sporting, vencer no Dragão seria apenas a segunda vitória da temporada no campeonato frente a um dos cinco primeiros, mas, para Rúben Amorim, seria fraca consolação: “Não serve como consolação. Não estamos para impedir o FC Porto de ser campeão, estamos para vencer.”