Torne-se perito Reportagem

Temos um Algarve quase só para nós, mas será que nós chegamos?

As praias da região algarvia estão estranhamente silenciosas. Há espaço sem-fim para estender a toalha, as ruas outrora pejadas de turistas parecem quase desertas. É bom para quem está de férias, mas os negócios do turismo precisam de sobreviver.

fugas,saude,verao,algarve,turismo,praias,
Foto
Praia da Galé, Albufeira, Junho de 2020 DR

Albufeira, 17 de Junho de 2020, 14h30. Calor algarvio a aquecer a pele, mas com um vento chato e fora do contexto a temperar este início de tarde. A Avenida da Liberdade, onde se perfilam lojas de souvenirs, de quinquilharia de praia e um ou outro bar, está praticamente deserta. O mesmo no vizinho Largo Engenheiro Duarte Pacheco, para onde noutros Junhos convergiam hordas de turistas, com os ingleses à cabeça. No caminho até ao túnel que desagua na praia, idem aspas. No areal, as poucas espreguiçadeiras protegidas com chapéus de colmo estão todas vazias. E as toalhas estendidas contam-se pelos dedos.

Estamos na segunda quinzena de Junho e perguntamos: que Algarve é este? “É um Algarve típico de Março”, comenta Ana Isa Figueiredo, assistente de direcção do São Rafael Villas, Apartments and Guest House, empreendimento turístico na praia com o mesmo nome, nas Sesmarias, a poucos quilómetros de Albufeira. Excepção feita à semana dos feriados de 10 e 11 de Junho, aproveitados por muitos portugueses para as primeiras miniférias pós-confinamento, o Algarve tem estado quase às moscas, lamenta Ana Isa. “No outro dia, à noite, fui comer um gelado à Oura e nem queria acreditar no que via, tudo vazio”, junta.

Quem chega ao Algarve por estes dias sente a mesma estranheza. Há um silêncio perturbador nas praias, espaço até mais não para estender a toalha e plantar o guarda-sol – e, pela parte que nos toca, também o pára-vento, que, já o dissemos, os dias que nos saíram na rifa foram quentes mas muito ventosos. Não fossem os impactos provocados pela pandemia da covid-19 e agradeceríamos este Algarve quase só para nós – mas, nesta fase de luta pela sobrevivência de muitos negócios ligados ao turismo, queremos que volte depressa um Algarve para todos. Sempre, claro, com os cuidados devidos para conter a propagação do vírus SARS-CoV-2.

Até porque nesta altura não é nada difícil manter o distanciamento social exigido. Quem chega à praia dos Salgados, por exemplo, tem um areal desafogado e muito bom sítio para se instalar a aproveitar o sol e o mar. De manhã, então, sobra a sensação de que a praia é mesmo só para nós: chegamos pouco depois das 9h e não temos ninguém no horizonte. Com o avançar do relógio aparecem outros banhistas, mas quase não damos por eles.

PÚBLICO -
Foto
Luís Forra/Lusa

Fazemos das caminhadas à beira-mar um ritual diário. Para a esquerda, está a praia da Galé; para a direita, a praia Grande. Para onde quer que caminhemos, o cenário é quase sempre o mesmo: pequenos grupos, de duas ou três pessoas, a andar junto ao mar; pouca gente na água, que se apresenta fria neste Junho; e um areal muito escassamente povoado.

Os concessionários das praias esperam e desesperam por quem queira pagar por uma espreguiçadeira, mas elas teimam em ficar vazias boa parte do dia. Os vendedores de bolas-de-berlim já não soltam o pregão e por estes dias anunciam-se através de uma discreta sineta. Somos lambareiros, mas procuramos as Bolinhas do Carlos mais para meter conversa do que propriamente por gula.

O vendedor, protegido atrás da máscara, prefere não dar o nome, mas dá o seu comentário: “Isto está mau, pouca gente na praia. Sinceramente, não sei como vai ser este Verão.” É com creme ou sem creme?, pergunta entretanto. Com creme – se é para ser, que seja a sério. Fica a bolinha por 1,30€. Enquanto nos prepara o troco, o homem deixa o apelo. “É jornalista? Então veja se escreve aí que vir à praia é seguro, para as pessoas não terem medo de vir para o Algarve. Se não, não sei como é que isto vai ser…”

À espera de dias melhores, é assim que está o Algarve este ano. É possível que a abertura das fronteiras com Espanha, agendada para dia 1 de Julho, ajude a equilibrar as contas. E que o retomar de voos comerciais de passageiros, que se tem intensificado nos últimos dias, também dê uma ajuda. Várias companhias aéreas já recomeçaram as suas ligações e outras preparam-se para voltar a voar para o Algarve a partir do início de Julho. “A retoma gradual das ligações aéreas para o Algarve é um sinal positivo para o turismo da região, para o tecido económico e social e, acima de tudo, é prova de que existe a importante percepção de que somos, aos olhos dos restantes países, um destino seguro”, sublinha João Fernandes, presidente do Turismo do Algarve, num comunicado divulgado esta semana.

PÚBLICO -
Foto
Praia dos Salgados, Albufeira, Junho de 2020 DR

Mas, sobretudo aos olhos dos turistas nacionais, os que mais têm procurado a região Sul nos últimos tempos, também é possível que o surto de covid-19 identificado em Lagos, depois de uma festa ilegal em Odiáxere da qual resultaram 111 casos de infecção, tenha efeitos nefastos. E também é possível que o número de infectados na região algarvia – que tem, no total, mais de 550 casos e 15 óbitos – aumente por outra razão qualquer ou que outras medidas de contenção do vírus venham a ser necessárias. O futuro do turismo no Algarve é, de facto, uma grande incógnita.

Sugerir correcção