Entrevista

Elisabete Matos: “Ao mau tempo boa cara”

Para vermos uma ópera em cena ainda teremos de esperar mas a directora artística do Teatro Nacional de São Carlos diz que há muito para fazer mesmo durante os tempos difíceis da pandemia. E insiste na ideia de formar novos cantores para “apoiar a qualidade que existe em Portugal”.

orquestra-sinfonica-portuguesa,elisabete-matos,teatro-nacional-sao-carlos,opera,culturaipsilon,musica,
Foto

Apesar de falarmos com máscara, conseguimos adivinhar na directora artística do Teatro Nacional de São Carlos, Elisabete Matos, um sorriso de confiança no futuro. O Festival ao Largo, este ano no Palácio da Ajuda, será o primeiro grande teste à capacidade do Teatro de vencer as barreiras e reencontrar o seu público, apoiado nos seus trunfos artísticos maiores: cantores, coro do São Carlos e Orquestra Sinfónica Portuguesa. O Teatro regressou este mês à actividade pública, com um concerto no 10 de Junho e prossegue, ainda antes do Festival, com duas galas de ópera nos dias 26 e 28 de Junho, em Lisboa e a 1 e 2 de Julho no Coliseu do Porto. Mas para vermos uma ópera em cena ainda teremos de esperar. Elisabete Matos revela-nos algumas das suas ideias para contornar os problemas, mas só uma coisa é certa: a incerteza.