Valpaços aposta no turismo da natureza: ecovia terá novas praias e passadiços

O projecto da ecovia do Rabaçal, com 60km, resultou de uma parceria com a National Geographic. O investimento no turismo da natureza continua com um percurso pedestre entre Mirandela e Valpaços, nos Caminhos de Santiago.

passeios,valpacos,vila-real,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
DR/CMValpaços
passeios,valpacos,vila-real,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
DR/CMValpaços
passeios,valpacos,vila-real,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
DR/CMValpaços
passeios,valpacos,vila-real,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
ecovia do Rabaçal
passeios,valpacos,vila-real,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
ecovia do Rabaçal
passeios,valpacos,vila-real,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
ecovia do Rabaçal
passeios,valpacos,vila-real,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
ecovia do Rabaçal
passeios,valpacos,vila-real,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
ecovia do Rabaçal
passeios,valpacos,vila-real,fugas,turismo,ambiente,
Fotogaleria
ecovia do Rabaçal

O objectivo é atrair mais visitantes, mostrando aquilo que o concelho tem de diferenciador e aliando o turismo de natureza com o gastronómico, disse esta quarta-feira o presidente do município, Amílcar Almeida, à agência Lusa.

O autarca salientou que, nesta fase de desconfinamento após a crise pandémica, “a ecovia traz já diariamente gente ao concelho”.

A grande rota do Rabaçal, rio que nasce na Galiza, é marcada por três percursos pedestres lineares que vão desaguar na praia fluvial e revelam “segredos” deste concelho do distrito de Vila Real.

Seguindo pela ecovia é possível descobrir duas aldeias desabitadas, Cachão e Calvo, que perdeu o último habitante na década de 60 do século passado, ficar ainda a conhecer os lagares escavados na rocha, vestígios deixados pelos romanos e que revelam que esta é uma das zonas vitivinícolas mais antigas do país.

Mas é também possível ficar no local de observação para aves, um abrigo onde é possível ver as inúmeras espécies que habitam neste território, como a águia-de-bonelli, a cegonha-preta, o guarda-rios, o maçarico-das-rochas, o melro-d'água, ou a lontra, a marta e a doninha.

O projecto da ecovia resultou de uma parceria com a National Geographic e envolveu uma equipa multidisciplinar, desde biólogos, engenheiros, ornitólogos, geólogos e arqueólogos.

Este projecto está a ser complementado com um investimento de 800 mil euros na praia fluvial do Rabaçal, que abrange a construção de passadiços, a instalação de balneários e de um centro interpretativo da ecovia num edifício localizado junto ao parque de campismo.

Em 2018, o Rabaçal, na freguesia de Possacos, foi incluído na lista das nove praias “mais bonitas” de Portugal divulgada pela National Geographic, que destacou este “refúgio transmontano à sombra de amieiros” e em cujas águas se pode fazer “rafting e canoagem, pesca ou simplesmente nadar e aproveitar o sossego”. A praia é já muito procurada por emigrantes e visitantes de concelhos vizinhos.

De acordo com Amílcar Almeida, no âmbito do projecto em curso vão ser melhorados os acessos, tornando a praia fluvial do Rabaçal acessível para pessoas com mobilidade reduzida. O vereador dos pelouros do Ambiente e Turismo, Jorge Mata Pires, acrescentou que se pretende candidatar esta zona às bandeiras azul e de praia acessível.

A montante desta área vão ser também criados cerca de 70 pontos de pesca (pesqueiros) melhorando as condições no rio que já é “muito procurado para provas desportivas a nível nacional”.“O nosso objectivo é piscar o olho a provas desportivas internacionais”, frisou Amílcar Almeida, que elencou ainda uma parceria que está a ser estudada com a Câmara de Chaves.

Na zona da localidade Rio Torto, também no rio Rabaçal, será criada uma praia fluvial e instalados mais “70 a 80 pesqueiros”, num projecto de cerca de 400 mil euros. Já em Carrazedo de Montenegro serão investidos 300 mil euros na praia fluvial da Ribeira da Fraga, onde, devido à morfologia do terreno, será instalada uma plataforma e construídos passadiços em madeira que permitirão o acesso à área balnear através dos penhascos.

O vereador Jorge Mata Pires referiu que o investimento global previsto ronda os dois milhões de euros e acrescentou que resulta de candidaturas submetidas e aprovadas aos fundos comunitários do Portugal 2020. O autarca prevê que as obras estejam concluídas em 2021.

O vereador elencou ainda outro projecto já aprovado em conjunto com a Câmara de Mirandela e que prevê investir 200 mil euros nos Caminhos de Santiago. O trajecto ligará Mirandela e Valpaços ao Caminho Português Interior de Santiago, em Chaves. “Esperamos ainda este ano avançar com a sinalética e a produção de conteúdos”, frisou.

Sugerir correcção