Um roteiro e uma app para explorar o parque Corgo de Vila Real

O roteiro compila as intervenções artísticas e as valências turísticas do parque Corgo – para além da natureza.

,Arte
Foto
Bordalo II é o autor de uma das peças

A Câmara de Vila Real lançou um roteiro e uma aplicação móvel sobre o parque Corgo, que revelam a fauna e a flora e guiam os visitantes pelas obras de arte espalhadas por esta zona.

“Este roteiro tem a compilação de todas as intervenções e de todas as valências turísticas do parque Corgo, para além da natureza”, afirmou a vereadora do pelouro do Ambiente da autarquia, Mafalda Vaz de Carvalho.

O parque Corgo situa-se nas margens do rio que lhe dá nome, tem uma área de cerca de 33 hectares e é muito procurado por pessoas que ali correm, caminham ou descansam.

Para arranjar “outros focos de atracção” para esta zona, a câmara de Vila Real lançou em 2016 o projecto “Valorização Ecológica do Corgo”, num investimento de cerca de 280 mil euros, financiados em 85% pelo Programa Operacional Regional do Norte (Norte 2020).

O projecto teve como objectivo potenciar o parque sob a perspectiva da conservação, a nível da flora e fauna, e desenvolveu outras actividades para atrair mais públicos para este espaço.

O roteiro e a aplicação, agora lançados, incluem a identificação de todas as peças desenvolvidas no âmbito do projecto “Arte no Parque”, que desafiou writers e ilustradores a desenharem murais, a criarem serigrafias ou instalações com o objectivo de promover a biodiversidade deste território.

O “Arte no Parque” juntou diversos criadores e quis “conciliar tendências, vivências e histórias do território com a biodiversidade de Vila Real, centrada no espaço ribeirinho do rio Corgo”.

As obras são assinadas por artistas como Draw, Contra, Mots, Fedor, Third, The Caver, Bafo de Peixe, Hate, Neku, Pereira de Sousa, Eduardo Porto, Fátima Bravo e Daniel Souto.

Os artistas criaram peças e desenharam murais em que transmitem a sua visão sobre as espécies que habitam o território, como o lobo, a borboleta, a salamandra, a águia, o sapo, o morcego ou a raposa.

A aplicação móvel está acessível em três línguas: português, inglês e espanhol.

Na Agência de Ecologia Urbana está patente ao público uma exposição virtual também sobre o parque Corgo que mostra a origem do rio, um afluente do Douro que nasce em Vila Pouca de Aguiar, a sua evolução geomorfológica e biológica e a sua ligação à história da cidade, desde as lavadeiras à central hidroeléctrica do Biel, a primeira de serviço público do país e que alimentou a rede local de distribuição de electricidade até 1926.