Entre Janeiro e Abril perderam-se mais de cem mil empregos em Portugal

População empregada, que inclui a grande maioria dos trabalhadores em layoff, continua a diminuir com a crise. Taxa de desemprego mantém-se, mas apenas por causa da metodologia estatística utilizada.

Foto
daniel rocha

Apesar das medidas adoptadas para evitar a entrada directa no desemprego de muitos trabalhadores, a travagem brusca na actividade económica trazida pela pandemia do novo coronavírus conduziu mesmo assim ao desaparecimento, entre Janeiro e Abril deste ano, de mais de cem mil empregos em Portugal, fazendo recuar este indicador para o nível em que se encontrava há dois anos.

Em condições normais, para avaliar a evolução das condições do mercado de trabalho, o primeiro indicador para o qual se olharia seria o da taxa de desemprego. No entanto, as características especiais da presente crise fazem com que este indicador seja agora pouco útil para perceber o que de facto está a acontecer.

De acordo com os dados do desemprego mensal publicados pelo INE, a taxa de desemprego passou de 6,4% em Fevereiro (mais exactamente no trimestre centrado neste mês) para 6,2% em Março, podendo vir a subir ligeiramente para 6,3% em Abril (dados ainda provisórios). Contudo, esta evolução tão benigna da taxa de desemprego apenas é possível, como explica o INE, por causa de uma característica deste indicador: para ser classificada como desempregada, uma pessoa que não está a trabalhar tem de ter procurado activamente emprego durante os últimos 30 dias. Caso não o tenha feito, passa a estar classificado na população inactiva.

Por isso, afirma o INE, “pessoas anteriormente classificadas como desempregadas e pessoas que efectivamente perderam o seu emprego devido à pandemia covid-19, e que em circunstâncias normais seriam classificadas como desempregadas, podem agora ser classificadas como inactivas, devido às restrições à mobilidade, à redução ou mesmo interrupção dos canais normais de informação sobre ofertas de trabalho em consequência do encerramento parcial ou mesmo total de uma proporção muito significativa de empresas, razões pelas quais não fizeram uma procura activa de emprego”.

Sendo assim, para se perceber o que está a acontecer no mercado de trabalho, o melhor é olhar para o número de pessoas empregadas. E aí, o impacto negativo da crise é já evidente. De acordo com os dados publicados pelo INE, entre Janeiro deste ano e Abril, perderam-se 103 mil empregos. A diminuição foi de 26 mil em Março e de 58 mil em Abril. Esta evolução mais negativa em Abril não surpreende, já que os dados são obtidos num período em que o efeito da pandemia mais se sente: Março, Abril e Maio.

Neste início de ano é evidente a inversão da tendência de criação de emprego que se vinha registando, quase sem interrupções, nos últimos sete anos. Para já, o número de empregados recuou já para os níveis que se registavam em Março de 2018.

As pessoas que perderam o seu emprego passaram na sua maioria a ser classificadas como inactivas. A população inactiva aumentou em 134 mil entre Janeiro e Abril, enquanto a população activa diminuiu 135 mil, diz o INE.

De salientar ainda que os trabalhadores abrangidos pela medida do layoff simplificado continuam, na sua grande maioria, a ser classificados como empregados. Os trabalhadores nessa situação apenas deixam de ser considerados empregados se estiverem em layoff por mais de três meses e receberem menos de 50% do valor do seu salário habitual. O que isto significa é que um prolongamento da medida ou a perda definitiva do emprego por parte desses trabalhadores poderá conduzir no futuro a uma redução ainda maior da estatística do número de empregados em Portugal.

Neste cenário com característica extraordinárias, o INE assinala que um indicador que pode ser relevante acompanhar é a taxa de subutilização do trabalho, que junta não só a população desempregada mas também o subemprego de trabalhadores a tempo parcial, os inactivos à procura de emprego mas não disponíveis para trabalhar e os inactivos disponíveis mas que não procuram emprego. Neste caso, apesar de o indicador se ter mantido inalterado nos 12,4% entre Fevereiro e Abril, o INE estima já uma subida para 13,3% em Abril.

Os dados dos inquéritos mensais do emprego, ao contrário dos trimestrais, não incluem informação sobre o tipo de emprego existente, nomeadamente por tipo de contrato de trabalho, por sector de actividade ou por nível de escolaridade do trabalhador.