Domingos Simões Pereira: “Este Governo está a assassinar a sua população”

Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC, denuncia o que considera ser o “golpe” de Sissoco Embaló na Guiné-Bissau. E diz que, se a sua tentativa de criar um Governo estável e capaz de governar for para a frente, “então estamos na presença de um crime perfeito”.

Foto
Domingos Simões Pereira, líder do PAIGC Rui Gaudêncio

Um Presidente autoproclamado, um Governo saído de eleições demitido, um ultimato para que exista outro num ambiente político sem consenso e onde se disputa quem tem a maioria no parlamento. A juntar: um rapto e ameaças a quem se opõe ao poder. E o regresso do narcotráfico. A Guiné-Bissau, diz Domingos Simões Pereira, líder do Partido Africano para a Independência da Guiné e de Cabo Verde (PAIGC), está a viver “no caos”. E, “no caos, tudo pode acontecer”. “Se as instituições que cooperam com a Guiné-Bissau não trabalham no sentido de a verdade vir ao de cima, para que realmente o estado de Direito possa funcionar, estamos simplesmente a adiar os choques que vão acontecer, obviamente, com a responsabilidade, neste caso, da comunidade internacional”.