Ginásios reabrem no dia 1 de Junho. Fique a conhecer as regras

Normas foram conhecidas esta sexta-feira. Utilizadores têm de respeitar um distanciamento mínimo de três metros.

Foto
É expressamente desaconselhado o contacto físico entre técnicos, funcionários e praticantes Rui Farinha Arquivo

O primeiro-ministro António Costa anunciou, esta sexta-feira, que os ginásios podem reabrir a partir da próxima segunda-feira, dia 1 de Junho.

Esta era a data pedida pela Associação de Ginásios e Academias de Portugal (AGAP) que, há cerca de duas semanas, se reuniu com a Direcção-Geral da Saúde (DGS). As duas entidades estiveram reunidas para discutir quais as medidas de segurança que devem ser adoptadas para garantir que os ginásios não se transformem em possíveis locais de contágio.

Em declarações ao PÚBLICO, o presidente da AGAP, José Carlos Reis, mostrou-se satisfeito com a decisão, garantindo que todas as recomendações serão cumpridas: “Estamos muito contentes com a confiança que o Governo tem no nosso sector, um sector muito responsável. Cumpriremos escrupulosamente as regras da DGS e criaremos um selo de qualidade para os ginásios que cumpram essas regras.”

Ao final da tarde desta sexta-feira foram conhecidas as directrizes da DGS para a reabertura de ginásios. Nestas regras, a DGS recomenda que durante os períodos de exercício físico têm de existir o distanciamento mínimo de três metros entre os utilizadores dos espaços, quer seja dentro do ginásio ou em actividades ao ar livre. Todos os equipamentos devem estar virados para o mesmo lado, para evitar que duas pessoas fiquem “frente a frente" – mesmo que exista o distanciamento mínimo exigido. As pegas destes equipamentos serão revestidas com película aderente, substituída diariamente pelos funcionários destes espaços.

Passa agora a ser expressamente desaconselhado o contacto físico entre técnicos, funcionários e praticantes, com excepção de situações de emergência. Na entrada e saída das instalações, é obrigatório que os utilizadores usem máscaras. Durante o exercício físico, esta obrigatoriedade não se verifica.

Os balneários passam agora a estar encerrados, com os ginásios a poderem apenas permitir o acesso aos cacifos e às casas de banho. Os proprietários destes espaços passam a ser responsáveis pela manutenção de um registo – que inclui data e hora – das pessoas que frequentam os ginásios, para facilitar o acompanhamento epidemiológico destes utilizadores.

Quanto às aulas de grupo, a DGS desaconselha a retoma de sessões dedicadas a grávidas, idosos e pessoas com doenças crónicas. As saunas, solários e equipamentos de hidromassagem permanecerão encerrados. 

No final de Abril, a AGAP elaborou uma proposta com várias medidas que permitissem que os consumidores regressassem com maior segurança e confiança aos ginásios e clubes de fitness. Nesta lista constam sugestões como a utilização de metade das máquinas e equipamentos de cardio-fitness e musculação e a limitação do tempo de treino.

Quanto ao distanciamento, a AGAP defende que os ginásios e academias recorram a “adaptações temporárias”, prevendo-se a “marcação no chão das distâncias mínimas entre as pessoas na recepção dos clubes” e a implementação de “protecções de acrílico ou vidro no atendimento”. Devem ser também implementadas recomendações para os clientes sobre o uso dos equipamentos e higienização imediata após a utilização e proibida a prática de exercício físico a dois.