Torne-se perito Crítica

O encanto da pop geriátrica

É dos Sparks a primeira obra-prima de pop geriátrica de que temos conhecimento.

ipsilon-papel,cultura,ipsilon,critica,culturaipsilon,musica,
Foto
A última centelha dos Sparks faz-se de parva, mas é doida a ponto de tornar-se comovente Dave M. Benett/Getty Images

Os irmãos Ron e Russel Mael são contemporâneos dos Doors, Love, Mothers of Invention e Buffalo Springfield, bandas californianas com quem partilharam o palco do Whisky a Go Go, em Sunset Boulevard. Eram, no entanto, contraculturais à contracultura de Hollywood. Tiveram várias formações, gravaram dois discos que ninguém comprou e já com o nome de Sparks testaram a sorte em Londres, com uma residência no Marquee Club que lhes valeu um contrato com a Island Records. Arrancaram para uma série eufórica de três discos nada menos do que apoteóticos gravados em pouco mais de um ano: Kimono My House, Propaganda e Indiscreet.