Matosinhos começou a testar imunidade

Os testes serológicos para detectar presença de anticorpos de forma a estimar a resposta imunológica e a dispersão do novo coronavírus na região arrancaram esta segunda-feira com o executivo camarário a ser testado. Mas amostra vai crescer e poderá ultrapassar as duas mil pessoas. Numa segunda fase, qualquer pessoa poderá fazer o teste sem marcação.

Foto
Rui Gaudencio

Em Matosinhos fizeram-se nesta terça-feira os primeiros testes serológicos com uma amostra pequena, mas, o programa da autarquia em colaboração com o Instituto de Patologia e Imunologia Molecular da Universidade do Porto – Ipatimup, vai estender-se a mais gente. No primeiro dia, os testes para detectar a presença de anticorpos à infecção provocada pelo novo coronavírus foram realizados aos 11 membros do executivo camarário para nos próximos dias continuarem a ser feitos a uma população de 500 pessoas que estiveram na linha da frente no combate à covid-19.

Sem surpresas, a presidente Luísa Salgueiro, o vice-presidente Fernando Rocha, e o vereador da Educação e Qualificação Ambiental Correia Pinto testaram positivo para a presença de anticorpos – os três estiveram infectados e já há algumas semanas que estão recuperados. Em todos os outros não foi detectado qualquer anticorpo que eventualmente lhes possa trazer imunidade.

O objectivo, segunda Luísa Salgueiro, é passar agora aos testes para apurar se as cinco centenas de trabalhadores municipais, da Protecção Civil, bombeiros e outros cidadãos que estiveram e continuam a estar em contacto com a população de risco foram infectados sem que tivessem conhecimento, por serem assintomáticos. Pretende-se, assim, saber qual a percentagem de pessoas a quem isso aconteceu. Explica a autarca que, se a amostra for representativa, todos os cerca de 2 mil funcionários da câmara serão testados. Se o número de resultados positivos for inferior ao esperado não se procederá à testagem nesta amostra mais alargada da população.

Em Matosinhos, este programa arranca um dia depois de terem sido recolhidas as primeiras amostras de sangue para o Inquérito Serológico Nacional conduzido pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge - para estes testes, a serem realizados por 100 laboratórios privados e hospitais do Sistema Nacional de Saúde, serão seleccionados, em território nacional, 1720 adultos e 352 crianças com menos de dez anos.

No Parque de Manhufe, onde está instalado um dos centros de testes covid-19 deste município, os testes serológicos poderão chegar a número maior de pessoas. Adianta a autarca socialista que, além das que estão na fila para o fazer no âmbito desta parceria com o Ipatimup, futuramente, numa segunda fase ainda sem data prevista, qualquer cidadão poderá ser testado. Para isso, sem precisar de marcação, terá apenas de se dirigir ao parque onde está montado o centro, onde também se faz o despiste para o novo coronavírus. O teste custará 25 euros e o resultado será apurado a partir do sangue recolhido por via de uma picada no dedo.

No mesmo local, começaram a ser testados, nos últimos dias, mas para covid-19, trabalhadores dos restaurantes e bares de praia do município. Nos próximos dias serão também testados todos os pescadores residentes no município, com exames comparticipados pelo Estado e pela autarquia. Até terça-feira, de acordo com a DGS, havia um registo total de 1268 infectados, tornando Matosinhos no quarto concelho do país mais afectado. Luísa Salgueiro acredita existir um motivo para esse número: “Creio que [esse valor] tem a ver com o número elevado de testes que fazemos. São 500 por dia”.