Levantada a cerca sanitária no Nordeste, Açores. Era a última em Portugal

Foi o concelho com mais casos de covid-19 na região devido à propagação a partir de um lar de idosos. Arquipélago registou nesta segunda-feira um caso positivo depois de sete dias sem novos casos.

,Angra do Heroísmo
Foto
rui pedro soares

Foi levantada a última cerca sanitária em Portugal. Depois de um mês e três semanas, o concelho do Nordeste, em São Miguel, nos Açores, deixou de estar isolado. O concelho foi o mais afectado pela covid-19 no arquipélago: dos 145 casos registados nos Açores desde o início da pandemia, 54 foram detectados no Nordeste.

“As cercas sanitárias instituídas no concelho do Nordeste, assim como a interdição de circulação e permanência de pessoas na via pública deste concelho, cessam a partir das 0h de segunda-feira, 18 de Maio”, lê-se na nota de imprensa enviada pelo Governo Regional dos Açores.

Os casos de covid-19 no Nordeste propagaram-se a partir do lar de idosos da Santa Casa da Misericórdia daquele concelho, afectando utentes e profissionais. O último caso positivo no concelho foi detectado a 5 de Maio e o executivo regional destaca que não chegou a existir transmissão comunitária na vila. “A cadeia de transmissão terciária encontra-se restrita à estrutura residencial para idosos da Santa Casa da Misericórdia do Nordeste, enquanto a cadeia de transmissão quaternária foi interrompida, não existindo evidências de transmissão comunitária do novo coronavírus no concelho” assinala o mesmo comunicado.

“Estamos satisfeitos com a forma como concelho está a recuperar, tem sido uma boa recuperação não só nos idosos, mas também nos funcionários que acabaram por apanhar o vírus”, disse ao PÚBLICO o presidente da Câmara Municipal, António Miguel Soares, referindo que a “pandemia não foi propagada pela população”.

A cerca sanitária do Nordeste esteve para ser levantada aquando do anúncio do fim das cercas sanitárias em todos os seis concelhos da ilha de São Miguel a 30 de Abril. No dia seguinte, devido a quatro novos casos positivos no concelho, o Governo Regional recuou na decisão e manteve o cordão sanitário na vila com cerca de cinco mil habitantes.

A história do lar do Nordeste começou com uma utente que foi infectada no Hospital Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, onde esteve internada. A infecção foi conhecida a 7 de Abril e deu-se por contactos com profissionais de saúde que faziam parte de uma cadeia de transmissão com origem no concelho da Povoação. Das 16 mortes pelo novo coronavírus nos Açores, 12 eram utentes do lar de idosos do Nordeste.

Apesar do “flagelo” que afectou a vila, o autarca do Nordeste está confiante no “regresso à normalidade” porque os nordestenses “são pessoas cuidadosas”. O autarca diz que partir de agora “tem de haver outro investimento no concelho”.

“Em primeiro lugar, publicidade positiva do concelho, com valorização do melhor que temos. Por outro lado, deveria haver um regime de excepção para apoio às nossas empresas e reforço de investimento para a situação ficar normalizada”, afirma.

Lar com desinfecção concluída, mas sem data para reabrir

 O lar de idosos do Nordeste foi encerrado a 5 de Maio para uma desinfecção completa. Os 13 idosos que lá estavam, e já com teste negativo à covid-19, transitaram para o centro de saúde do concelho. Por sua vez, os doentes infectados transitaram todos para o Hospital Divino Espírito Santo em Ponta Delgada e os que, entretanto, recuperaram seguiram para uma enfermaria criada para o efeito no centro de Saúde da Povoação

“Ainda não temos data para a reabertura, esta semana vamos combinar com a Autoridade de Saúde”, avança ao PÚBLICO José Carlos Carreiro, provedor da Santa Casa e responsável pelo Lar, referindo que existem “vários colaboradores” do lar que estão de quarentena e que irão realizar o teste de despiste nos próximos dias. Entre estes, estão três dos quatro enfermeiros da instituição. Só depois de todos testados é que será possível reabrir a estrutura residencial para idosos.

“É importante entrarmos com o pé direito com toda a nossa equipa recuperada, na máxima força, para fazermos um trabalho articulado e envolvendo toda a gente”, refere o provedor. Os trabalhos de desinfecção “correram muito bem” e “estão prontos” e por isso José Carlos Carreiro mantém a “esperança” de que será possível reabrir o lar no primeiro dia de Junho.

Outra “esperança” que o responsável da Santa Casa da Misericórdia tem é a de não serem registados mais óbitos entre os utentes do Lar. “Neste momento, no Hospital de Ponta Delgada falta apenas recuperar dois idosos. Isto significa que temos esperança de não haver mais nenhum falecimento por covid”, assinala.

Depois de sete dias consecutivos sem qualquer novo caso de covid-19, os Açores registaram esta segunda-feira um caso positivo em São Miguel. A Autoridade de Saúde informou que o caso foi detectado no “âmbito do rastreio organizado às unidades escolares”, estando actualmente “em curso o inquérito epidemiológico para aferir o contexto do seu surgimento”.

A região regista 22 casos positivos no total, sendo 16 em São Miguel, um na Graciosa, três no Pico e dois no Faial.

Sugerir correcção