Tronos de Santo António avançam online e por todo o país

Este ano há adaptações ao formato habitual: a exposição de tronos é digital e o concurso estende-se a Portugal inteiro.

Fotogaleria
Concurso Tronos de Santo António, Rui Cunha
Museu de Santo Antônio
Fotogaleria
Concurso Tronos de Santo António, Rui Cunha
Fotogaleria
Concurso Tronos de Santo António, 1953 Armando Serôdio/Arquivo Municipal de Lisboa/Arquivo Fotográfico
Fotogaleria
Concurso Tronos de Santo António, Rui Cunha
Antônio de Pádua
Fotogaleria
Concurso Tronos de Santo António, 1º prémio, 1953 Armando Serôdio/Arquivo Municipal de Lisboa/Arquivo Fotográfico
Fotogaleria
Concurso Tronos de Santo António, Trono de Maria Cesaltina dos Santos Pinto, 1955 Armando Serôdio/Arquivo Municipal de Lisboa/Arquivo Fotográfico
Fotogaleria
Concurso Tronos de Santo António. Trono de Carlos Alberto Costa e Artur Manuel Pinto, 1955 Armando Serôdio/Arquivo Municipal de Lisboa/Arquivo Fotográfico

A tradição remonta à Lisboa pós-terramoto de 1755, onde os peditórios para reconstruir a igreja de Santo António, parcialmente destruída, tomavam a forma de altares decorados à porta das casas, para arrecadar “uma moedinha para o Santo António”.

Recuperado o edifício, manteve-se o pregão nos bairros lisboetas, angariando fundos para usufruto da comunidade. A moda entrou entretanto nas festas alfacinhas, com a tradição a vestir-se de exposição e concurso de Tronos de Santo António.

Este ano, na Lisboa pós-pandemia, há adaptações ao formato habitual. A sexta edição da iniciativa vem com mudanças no cenário: como os altares não podem ser vistos presencialmente à porta das casas, lançam-se as escadinhas para outros patamares, no caso, digitais. Em vez da exposição de rua, os trabalhos são mostrados online.

Também o concurso escala os limites da cidade, estendendo-se o desafio a Portugal inteiro: podem participar “crianças e adultos, indivíduos e colectividades, alfacinhas de gema ou adoptados, religiosos devotos ou fervorosos descrentes”, refere a organização.

Foto
Rui Cunha

As estruturas devem ser feitas em material reciclado, com três a sete degraus, e ter no topo a imagem de Santo António, sem esquecer a originalidade e a criatividade que a ocasião impõe. Os trabalhos devem ser entregues até às 18h do dia 2 de Junho. Para participar, basta preencher a ficha de inscrição no site do Museu de Lisboa, anexar a fotografia do trono e a respectiva declaração de autorização do uso da imagem. O regulamento pode ser consultado aqui.

Os três vencedores serão conhecidos a 13 de Junho, dia de Santo António, e, além do orgulho de ocupar um lugar no pódio, ganham também um prémio no valor de 500 euros. Para o mesmo dia está marcada a inauguração da exposição digital, que incluirá todos os trabalhos, e pode ser visitada nas plataformas do Museu de Lisboa, Cultura na Rua e EGEAC. Online, já se sabe.