Criminalidade desceu durante o estado de emergência, mas burlas bancárias crescem 131%

Entre 22 de Março e 2 de Maio, a PSP registou mais 135 casos de burla. A criminalidade violenta e grave desceu 43% em relação ao mesmo período de 2019.

Foto
A criminalidade geral, de 22 de Março a 2 de Maio de 2020, diminuiu 47% em relação ao mesmo período de 2019 Nelson Garrido

A criminalidade geral em Portugal diminuiu 47% (menos 9084 crimes) e a criminalidade violenta e grave caiu 43% (menos 442 crimes) durante o intervalo de tempo de 22 de Março a 2 de Maio de 2020 em relação ao período homólogo de 2019, de acordo com os dados divulgados esta sexta-feira pela Polícia de Segurança Pública (PSP) da criminalidade no contexto do estado de emergência.

Em sentido contrário, a PSP dá conta de um aumento de 131% de burlas com fraude bancária durante o período de confinamento da população (mais 135 ocorrências), tendo também registado uma subida de 33% nas burlas informáticas e de comunicações (mais 210 casos). Já durante esta semana, a PSP tinha lançado nas redes sociais um aviso à população para um aumento de burlas através da aplicação MB Way.

Houve também uma subida de 25% no número de ocorrências de furto em área anexa a residência, com mais 42 do que no ano anterior.

Os furtos e os roubos são os crimes com uma maior diminuição durante este período. Os furtos caíram 50% (menos 3084 ocorrências), com a maior quebra a ser registada nos furtos por carteiristas, que diminuíram 94% (menos 1019 denúncias). Houve ainda uma quebra 887 ocorrências de furto em veículo motorizado, uma redução de 55%.

Nos roubos, a PSP recebeu menos 439 ocorrências que em 2019, uma diminuição de 53%. Nesta tipologia criminal, o roubo em posto de abastecimento de combustível foi o que viu uma maior redução em termos percentuais, 88%, menos 7 ocorrências.

O comunicado da PSP também dá conta de uma redução de 62% nas ofensas à integridade física simples (menos 847 denúncias).