Torne-se perito Crítica

Uma família do outro lado do espelho

À frieza da personagem o filme já só tem a sua frieza conceptual a contrapor: é mais uma das estreias em streaming da marca Bold

Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria
Fotogaleria

Num dos primeiros planos de Rainha de Copas, a estreia semanal da Cinema Bold directamente em VOD (plataforma Filmin) e nos videoclubes televisivos (Meo, Nos, Nowo e Vodafone), que segue a protagonista por um bosque, dá uma volta sobre si própria para focar as árvores de cabeça para baixo. Tem o efeito de um sinal de alarme mas também é um prenúncio da relação que o filme da dinamarquesa (de origem egípcia) May El-Toukhy vai ter com a intriga e com a protagonista: fazer com que no fim tudo seja o reflexo invertido daquilo que era no princípio. E fazer, assim, com que essa personagem (Trine Dyrholm), advogada de meia idade especialista em defender jovens vítimas de maus tratos e abusos sexuais, acabe o filme na posição da abusadora, depois de se envolver com o enteado menor e a seguir negar tudo, para desespero do rapaz.