Torne-se perito Crítica

O diabo, politicamente

Salve Satanás?: cumplicidade com as acções de um grupo dirigidas à crescente presença da religião na vida política dos EUA. Esta semana na plataforma Filmin e nos videoclubes dos operadores do cabo.

Fotogaleria
São grandes provocadores, com acções dirigidas à crescente presença da religião em assuntos da vida política dos EUA
,O Templo Satânico
Fotogaleria
,Estátua de Baphomet
Fotogaleria
,O Templo Satânico
Fotogaleria
,O Templo Satânico
Fotogaleria

Como aquele ponto de interrogação no título sugere, o documentário da americana Penny Lane não trata de um satanismo, digamos, genuíno. Antes, da importação de uma dose considerável do folclore e da linguagem da mitologia satanista para o campo do activismo político na América contemporânea, através de uma associação que se auto-intitula O Templo Satânico. São, naturalmente, grandes provocadores, com algumas acções espectaculares (e por vezes muito divertidas) dirigidas em cheio à crescente presença da religião em assuntos da vida política dos EUA. Servem-se do absurdo, a promoção de um “satanismo” que tem mesmo que levar aspas, para questionarem esse processo, com gestos que vão da performance de rua a elaboradíssimos gags dignos de um sketch dos Monty Python, e levados às últimas consequências burocráticas e políticas — como quando lutaram nos tribunais para, em nome da equidistância religiosa a que o Estado está constitucionalmente obrigado, exigirem a colocação de uma estátua de Baphomet ao lado de uma lápide em homenagem aos Dez Mandamentos que o governador do Oklahoma pretendia erguer nos jardins do Capitólio daquele estado.