Opinião

No reino dos hipócritas

É bem sabido: os “responsáveis” de base não são responsáveis de coisa nenhuma. E só sabem apontar o dedo para cima…

Lembram-se dos grandes incêndios florestais de há dois, três anos? E de como população e autarcas consideravam não terem responsabilidade absolutamente nenhuma no assunto? Se as florestas não estavam limpas, não era culpa deles! Se havia queimadas sem controlo, umas brasitas acesas para um churrasco ao ar livre, uns cigarritos acesos deitados pela janela do carro fora, não tinham sido eles, mas sim outros! Outros, outros, não especificados, evidentemente. E claro, no fim de contas, era notório que o responsável pela catástrofe só podia ser o Governo da República!

Com esta brilhante demonstração, tivemos então direito a uma série de autarcas, envergando uniforme ad hoc, a porem-se em bicos dos pés perante as câmaras de televisão e demais jornalistas. Primeiro para dizerem, em tom mais ou menos agitado, que sempre foram uns autarcas impecáveis. Não tinham cuidado das florestas, não as tinham limpo, não as tinham vigiado, o que provava que o Governo era o autor putativo dos incêndios! Pelo que, claro, exigiam (não pediam: exigiam) meios, e sobretudo meios financeiros, para que eles, pobres autarcas, pudessem fazer nas florestas aquilo que, segundo más línguas, deviam ter feito antes e tinham descurado fazer…

Pois agora, com o coronavírus, o espetáculo não está a ser fundamentalmente diferente. Pouco importa o que acontece por essa Europa fora. Embora a situação mostre que nenhum país estava de facto preparado para afrontar a pandemia. E que, até agora pelo menos, os números de infetados, de hospitalizados e de falecidos são bem mais elevados nos países vizinhos do que em Portugal. Mas nada disso importa: os autarcas das zonas mais afetadas estão de novo em polvorosa. E desta vez contam com a inestimável colaboração de provedores de misericórdias e demais diretores de lares (dedicados membros do clero, muitas vezes).

É que, vejam bem os leitores, tudo funcionava maravilhosamente bem nos municípios, hospitais e lares de que eram “responsáveis”, antes de irromper este tal coronavírus de que só o Governo pode ser considerado responsável. Porque eles, autarcas, provedores e demais diretores, tinham tudo impecavelmente organizadinho antes: em termos de equipamentos como de pessoal, em todas as suas variantes: médicos, paramédicos, assistentes sociais, ajudantes…

E será preciso dizê-lo? Ordens, sindicatos e demais associações profissionais habituais responderam logo “presente”, fiéis ao posto, sempre prontos a dar a indispensável ajudinha ao coro da algazarra geral. Com as nossas adoráveis televisões sempre prontas a estender câmaras e micros àqueles que, de preferência, são os mais acerbos na crítica e cruamente fulgurantes na expressão. E como boa parte da gente das redações de televisão não gosta de se cansar, não prepara nada, não filma nada, não monta nada, não grava voz off nenhuma, constitui antes uma provisão de novos “clientes” e de antigas vedetas para lhes facilitar a vida. O que nos dá direito a repetidas visitas dos mesmos intervenientes enquanto almoçamos ou jantamos em frente da televisão familiar, nestes tristes tempos de confinamento…

Este reino de hipocrisia geral é profundamente chocante e até mesmo aterrador. Perante situações trágicas e extremamente dolorosas (e no caso presente: de que se desconhecem por enquanto as consequências futuras), há gente investida de poderes administrativos cuja primeira preocupação é descartar-se de toda e qualquer responsabilidade: ingénuos que nós somos, pensando que ela até fazia parte das atribuições normais da função que ocupam. Mas não só a culpa não é deles como, no entender deles, é certamente de outros. E aproveitam para vir para as televisões e demais media numa agitação permanente a fazer campanhas pessoais que nada têm a ver com a natureza do acontecimento.

Caraterística cultural bastante arreigada, a maioria dos portugueses tem tendência a considerar que o que vai mal não é culpa deles, mas dos outros. E os “responsáveis” públicos de base apontam mesmo o dedo logo para cima. Portugal iria bem melhor, no entanto, se em circunstâncias trágicas, ao baile dos hipócritas e à feira das vaidades sucedesse uma réstia de dignidade e de sobriedade aos atores de circunstância…

O autor escreve segundo o novo acordo ortográfico

Sugerir correcção