Leónia devia estar no Mundial de jiu-jitsu e ser a única paratleta portuguesa

Nos meses que antecederam a declaração de pandemia global de covid-19, Leónia Braga centrou-se na preparação para o Campeonato Mundial Profissional de jiu-jitsu, em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. Suspensa a competição, persiste o sonho. Para se manter equilibrada, desce e sobe as escadas do prédio, levanta garrafões de água, ensaia os movimentos daquela arte marcial.

Fotogaleria
Suspensa a competição, persiste o sonho. Para se manter equilibrada, Leónia Braga desce e sobe as escadas do prédio, levanta garrafões de água, ensaia os movimentos daquela arte marcial. Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Ia ser a viagem da vida de Leónia Braga. Ia participar no Campeonato Mundial Profissional de jiu-jitsu em Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos. No dia 11 de Abril, data reservada às crianças e às pessoas com deficiência, ia vestir o quimono, entrar no tapete, lutar uma e outra vez, sempre até a adversária bater no chão três vezes com a mão, sinal de que quereria parar, de que assumia a derrota. Quem sabe se ainda virá a ser? Embora fosse a única paratleta portuguesa inscrita naquele evento internacional, era como se fosse uma multidão. Como esta arte marcial não recebe qualquer apoio do Estado, recorreu à PPL, uma plataforma de financiamento colaborativo. Até lhe custara a acreditar que tanta gente tirara dinheiro do seu próprio bolso para que pudesse realizar aquele sonho repentino e, de algum modo, reparador. Em Portugal ainda se respirava uma certa normalidade e já aquele evento era suspenso por causa da covid-19.