“Devo a vida” ao SNS: o testemunho de quem recupera do coronavírus

O termómetro atestava a febre e as dores musculares incomodavam, mas Miguel Duarte não se afligiu em demasia. A hipótese de uma constipação superava a possibilidade de ter o novo coronavírus: “Pensava que não me ia calhar logo a mim isto.”

Assim parecia, inicialmente. Durante uma semana, fez medicação para descer a febre e foi oscilando entre melhorias e retrocessos. Mas a dada altura juntava aos sintomas iniciais a falta de apetite e de força, a dificuldade respiratória. Na linha Saúde 24 mandaram-no para o São João, no Porto. Eram 16h.

O hospital pareceu-lhe “perfeitamente preparado”. Tudo estava “muito bem organizado, estruturado, dividido”. Os médicos passavam protegidos dos pés à cabeça. Fez um raio x, análises ao sangue, o teste à covid-19. Eram “três ou quatro da manhã” quando foi internado. O resultado era positivo.

Dividiu o “quarto com pressão negativa” com mais dois pacientes. E quando o médico fez a visita, perguntou a medo pelo prognóstico. “Estava estável mas tinha um prognóstico reservado porque tinha uma pneumonia muito floreada a afectar os dois pulmões. Só tempo diria o futuro.”

Não esmoreceu. Com uma “atenção sem igual” dos profissionais de saúde a funcionar como pilar, adoptou a música como “amuleto”. Ouviu vezes sem conta Yellow ledbetter, dos Pearl Jam. Animava os colegas, ajudava os auxiliares a distribuir a comida, media a própria febre. “Dois minutos em 24 horas não é nada. Mas quando se está num quarto de hospital é complicado. Há tempo para pensar em muita coisa.”

A alta hospitalar chegaria uma semana depois. A recuperação é agora feita em casa, dentro de um quarto, isolado da mulher e dos quatro filhos. “A família está bem, ninguém teve sintomas”, congratula-se. Os filhos estavam em casa mesmo antes das escolas encerrarem oficialmente, entre eles cortaram beijos e abraços desde cedo. “Custou muito, mas a eficácia está provada”. Mesmo com Miguel infectado, o resto da família resistiu.

Ainda rouco, pensa agora em todos os profissionais de saúde. “É a esses que devo a vida.” Se passasse por eles na rua talvez não lhes conhecesse os rostos, porque estavam sempre tapados com material de protecção. Mas as vozes, essas, jamais as esquecerá. Mariana Correia Pinto

Sugerir correcção