“Guerra” entre Hospital da Cruz Vermelha e Francisco George chega ao Presidente

O corpo clínico do Hospital da Cruz Vermelha contesta que se transforme a instituição em “hospital covid” e faz acusações a Francisco George. O ex-director-geral da Saúde garante ao PÚBLICO ainda não ter conhecimento de nada da parte dos colegas.

Francisco George dirige a Cruz Vermelha Portuguesa
Foto
Francisco George dirige a Cruz Vermelha Portuguesa Rui Gaudencio

Mais de 50 profissionais do corpo clínico do Hospital da Cruz Vermelha [HCV] fizeram uma carta com queixas contra Francisco George, Presidente da Cruz Vermelha Portuguesa e do Conselho de Administração do HCV, dirigida às altas figuras do Estado – Presidente da República, Presidente da Assembleia e Primeiro-Ministro estão entre os destinatários.

A missiva acusa Francisco George de “pôr em risco a sobrevivência clínica e económica do hospital”, que “entrou num processo de ruína económica e financeira”. “Manter no cargo o Dr. Francisco George é o caminho mais directo para a falência do Hospital a curto prazo”, disparam.

Processo que se arrasta

A “guerra” entre os profissionais do HCV e Francisco George não é nova, já que, nas últimas semanas, tem estado em causa a disponibilidade do HCV para se tornar “hospital covid”, uma decisão que o corpo clínico diz ter sido tomada individualmente por Francisco George e que não tem em conta as limitações estruturais e materiais da instituição para lidar com esse tipo de contingência.

Explicam que “o número de camas oferecido publicamente (110 de internamento e 17 de cuidados intensivos) não corresponde à realidade existente” e que “dois dos quatro pisos do HCV não têm rampas de oxigénio nem de aspiração, indispensáveis para o tratamento dos doentes covid-19”. E apontam que não há trabalhadores suficientes para assumir o funcionamento de 17 camas de cuidados intensivos.

Noutro prisma, a carta de denúncia acusa também Francisco George - cujo comportamento definem como “suicidário” - de “ter tentado forçar a demissão do director clínico e promover a sua auto-nomeação para esse mesmo cargo, que não chegou a formalizar por se ter apercebido da posição contrária dos restantes membros do Conselho de Administração”.

Francisco George garante não ter sido abordado

Confrontado pelo PÚBLICO com estas acusações, Francisco George garante que, apesar de “estar a trabalhar de manhã à noite no hospital”, o corpo clínico ainda não lhe formalizou directamente qualquer queixa, nem através de médicos nem através do director clínico.

Recusando pormenorizar um assunto do qual diz não ter conhecimento detalhado, avança que haverá de falar com os colegas “para ver quais são as preocupações deles”.