Covid-19 em Portugal: 209 mortes, 9034 infectados. Casos sobem 9,5%

Há mais 316 pessoas internadas do que na quarta-feira. 240 pessoas estão nos cuidados intensivos. Lisboa e Porto são os concelhos com mais casos e é na região norte que há mais pessoas infectadas. Pelo mundo, há quase um milhão de pessoas que foram infectadas pelo vírus SARS-CoV-2.

Foto
Desinfecção de ruas em Lisboa Nuno Ferreira Santos

Portugal registou até esta quinta-feira um total de 209 mortes (mais 22 do que na quarta-feira) e mais de 9000 casos de infecção (são mais 783 do que no dia anterior), o que corresponde a uma taxa de crescimento do número de casos de 9,5%. Os números foram divulgados esta quinta-feira no novo boletim epidemiológico da Direcção-Geral da Saúde (DGS), onde os casos são actualizados diariamente.

Há 1042 pessoas internadas e 240 nos cuidados intensivos. Há 68 casos de pessoas recuperadas – o número reduzido é explicado por se tratar de uma doença de “convalescença lenta” e por serem precisos dois testes negativos para se ser declarado “curado” – e ainda 4958 pessoas a aguardar resultado laboratorial. 

Na quarta-feira, Portugal tinha registado um total de 187 mortes e 8251 infectados – o que correspondia a uma taxa de crescimento de 10,9%.

Lisboa continua a ser o concelho com mais casos (594), seguida do Porto, que tem 556 casos. É na região norte que está concentrada a maior parte dos casos: são 5338 casos e 107 mortes. Na lista dos concelhos com mais casos, seguem-se Vila Nova de Gaia (418), Gondomar (373), Maia (361) e Matosinhos (347). O número de infectados por concelho pode ser superior já que estes números são os do sistema SINAVE, que corresponde a 79% dos casos confirmados.

Portugal quer duplicar ventiladores

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, revelou esta quinta-feira, em conferência de imprensa, que a letalidade da covid-19 em pessoas acima dos 70 anos é de 9,2%, referindo que a esmagadora maioria dos infectados são controlados a partir das residências. Quase 87% das vítimas mortais são pessoas com mais de 70 anos. 

“A taxa de letalidade global é de 2,3% e a taxa de letalidade acima dos 70 anos é de 9,2%. Dizer ainda que, em domicílio, estão 85,4% dos doentes, 7715 pessoas. Numa altura em que se renova o estado de emergência no país, importa manter a malha apertada ao novo coronavírus. Quer através da contenção social – crucial nos próximos dias — quer robustecendo os mecanismos de resposta do sistema de saúde, capacitando-o para as novas fases da epidemia”, explicou o secretário de Estado da Saúde.

O secretário de Estado da Saúde salientou a intenção do Governo de duplicar a capacidade de ventilação no país, para fazer frente aos casos mais graves de covid-19. António Lacerda Sales detalhou os recursos que já estão a ser utilizados no país, adiantando que chegarão mais ventiladores nos próximos dias. 

“Como sabemos, as situações mais graves de covid-19 levam a cuidados intensivos. Entre ofertas, compras e empréstimos, estaremos em condições de duplicar a nossa capacidade de ventilação. Foram oferecidos 400 ventiladores invasivos por diversas entidades, muitos dos quais já chegaram aos hospitais, outros com previsões de entrega muito em breve. Recebemos 140 ventiladores não invasivos cedidos a título de empréstimo. Para além disso, foram adquiridos cerca de 900 pela administração central do sistema de saúde, algum dos quais também já em Portugal. [Destes,] 144 chegam esta semana ao nosso país”, explicou o secretário de Estado da Saúde. 

Mais 200 mil testes chegam para a semana

António Lacerda Sales anunciou que o país irá receber material que permitirá fazer face à elevada procura de testes. “Hoje mesmo [quinta-feira] serão distribuídas seis mil zaragatoas [objecto utilizado para recolher amostras para análise]​. Estão ainda encomendadas 400 mil zaragatoas, das quais 80 mil chegam amanhã [sexta-feira] e as restantes com entregas previstas nas próximas semanas, e que farão face aos constrangimentos da elevada procura. Para além disso, na próxima semana chegam mais 200 mil testes a Portugal”, explicou António Lacerda Sales.

Questionada na mesma conferência sobre os critérios para os testes, a directora-geral da Saúde, Graça Freitas, detalhou as prioridades na realização de análises à covid-19. “A principal indicação para ser testado são os doentes suspeitos e, na segunda linha, os contactos desses doentes, espacialmente se estiverem, por exemplo, em lares. Essas são as pessoas prioritárias para testar, para podermos fazer o isolamento daqueles que são positivos e outras medidas para o seu critério”, explicou Graça Freitas.

Não há previsão para o pico

Quanto ao pico da epidemia, Graça Freitas diz que ainda não é possível precisar uma data específica para esta fase. “Estamos a subir. Temos tido uma subida relativamente aplanada. As pessoas que fazem projecções matemáticas dizem que quanto mais lenta for a progressão, mais para a frente irá o pico.”

Em Portugal, o Parlamento autorizou nesta quinta-feira a renovação do estado de emergência decretado por Marcelo Rebelo de Sousa, que vigorará de 3 a 17 de Abril. Uma das novidades do decreto presidencial é a liberdade de aprender e ensinar prevê o ensino à distância e permite adiar os exames e o início do próximo ano lectivo.

Há quase um milhão de pessoas que foram infectadas pelo novo coronavírus pelo mundo, desde que o surto começou em Dezembro, na China. A Espanha registou mais de 10 mil mortes (950 nas últimas 24 horas) e os Estados Unidos têm mais de 200 mil pessoas infectadas (e 4475 mortes). Itália é o país com mais mortes causadas por covid-19 (30% das mortes a nível global): são mais de 13 mil.

Sugerir correcção