Com o coração se faz sopa

Uma porta abre-se e um sorriso aparece. É o Márcio, agricultor. Tal como o bisavô, avô e pai. Mesmo em tempos de isolamento por causa da pandemia do novo coronavírus, há quem não consiga ficar em casa. Nos próximos dias, a crónica fotográfica Picar o Ponto apresenta sete profissões que não podem parar.

Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

São 6h. As luzes do automóvel furam a neblina densa. Adivinha-se terras lavradas. Revoltas. Silhuetas de árvores. Um círculo a deixar adivinhar um poço. Ainda em adobe. Velho e fundo. Começo a adivinhar uns traços metálicos. O pavilhão, o grande pavilhão, ali está plantado no meio de terra castanha, paredes meias com o traçado da auto-estrada. Qual o melhor símbolo de progresso que quatro faixas de alcatrão onde já se semeou batatas e feijão?

Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Adriano Miranda
Fotogaleria
Adriano Miranda

Um camião. Tractores. Atrelados. E silêncio. Ao fundo, as cruzes dos jazigos e a torre da igreja. Uma porta abre-se e um sorriso aparece. É o Márcio, agricultor. Como se diz agora, um jovem empreendedor. Deixou o fato e a gravata e disse adeus ao sector bancário. Aprendeu a andar em torrões de terra. O bisavô, o avô e o pai sempre foram agricultores. E o Márcio sempre cultivou o “bichinho.” Fundou a Banca Terra. Madruga para tratar das suas couves, das suas alfaces, dos seus pimentos, das suas cebolas.

Numa máquina comprida de inox, três mulheres e dois homens lavam alho-francês. Parece uma fábrica. Uma linha de montagem. Em cestas enormes descobre-se a rama do alho no meio de terra e de ervas. Depois, a máquina dá o banho. Na outra ponta, retira-se as folhas menos bonitas e deposita-se o alho-francês viçoso em caixas. Márcio faz viagens pelo pavilhão com o empilhador. Empilha as caixas vermelhas. Rega. Um último banho para manter a frescura. E na boca da plataforma das cargas e descargas, o empilhador entra na caixa do camião. Em breve estará pronto para fazer-se à estrada a caminho do Norte. Ao volante vai o pai do Márcio. Destino – uma grande superfície.

Foto

A pressão das grandes superfícies tem aumentado desde o estado de emergência. “Parece que estão a vender mais. Querem essencialmente produtos para sopa. A procura de alface decaiu imenso. Agora as pessoas só querem fazer sopa.” A entrega de cabazes porta a porta aumentou exponencialmente. Patrícia, a mulher de Márcio, não tem mãos a medir. Já não dá resposta aos pedidos. São tantos. “As pessoas têm medo de sair de casa. Temos que ser nós a ir ter com elas.” Patrícia enche a carrinha de cabazes e começa a distribuí-los. Já não faz jus ao slogan da empresa  “cultura de proximidade.” Nem sequer toca à campainha. Telefona para o cliente. “Já tem o cabaz à porta.” Pela janela, uma mulher espreita. “Como lhe pago?” Patrícia, apressada, grita: “Fazemos contas no fim do mês.”

Foto
Adriano Miranda

De luvas e facas, Manuela, Adília, Ana Jorge, Damas, Alexandre e Márcio colhem couve-coração. No meio daqueles campos todos parecem esquecer o vírus. Fazem o que sempre fizeram. Dobradas e dobrados. Escolhem as melhores couves. Carregam caixas. Damas, o puto de 18 anos, é o mais sorridente. Trabalhador, adivinha-se os músculos. Ali esquecemos o estado de emergência. Esquecemos o vírus. Ali é só verde e azul. E também coração.