Primeiros dois casos de covid-19 na Guiné-Bissau

Autoproclamado Presidente confirma na sua página de Facebook que os dois casos suspeitos referidos na segunda-feira pelas autoridades sanitárias estão mesmo infectados. País fechou as fronteiras, mas faltam meios para as controlar.

As autoridades decidiram diminuir o número de passageiros nos transportes públicos para tentar controlar a pandemia
Foto
As autoridades decidiram diminuir o número de passageiros nos transportes públicos para tentar controlar a pandemia Paulo Pimenta

A Guiné-Bissau tem dois casos confirmados de infecção pelo novo coronavírus. A notícia foi confirmada esta quarta-feira pelo autoproclamado Presidente do país, Umaro Sissoco Embaló, na sua conta do Facebook. “Recebi com muita consternação a confirmação dos dois primeiros casos de coronavírus na Guiné”, escreveu Umaro Sissoco Embaló.

A informação da existência de dois casos suspeitos na Guiné-Bissau, ambos cidadãos estrangeiros, tinha sido avançada na segunda-feira pelo director-geral de Epidemiologia e Segurança Sanitária, Salomão Crima, sem avançar mais detalhes.

De acordo com o blogue Ditadura de Consenso, os dois infectados, de nacionalidade indiana e congolesa, este funcionário das Nações Unidas, estão actualmente em quarentena nas suas residências, sendo controlados pelas autoridades.

As autoridades guineenses mandaram encerrar todas fronteiras no dia 18 de Março, com receio da entrada do vírus no país, tendo em conta que já havia casos no Senegal e na Guiné-Conacri, os dois países vizinhos, mas a falta de meios da polícia para controlar as entradas e saídas do país, torna a Guiné-Bissau extremamente vulnerável à pandemia.

“Aqui em São Domingos nós temos vários caminhos clandestinos e a Guiné-Bissau, neste momento, não tem nenhum meio para fazer a cobertura. Estamos com falta de meios, principalmente motorizadas para ir ao fundo das matas. Tentamos, mas não podemos. Estamos aqui sentados. A polícia não tem nem uma bicicleta sequer”, afirmou à Deutsche Welle Paulo Intipé, comandante da polícia de São Domingos, na fronteira com o Senegal

Sem possibilidade de fazer um controlo efectivo, as pessoas continuam a entrar e sair do país como se nada se passasse. Zinguinchor, cidade senegalesa de mais de 150 mil habitantes, perto da fronteira de São Domingos, tem vários casos positivos de infecção pelo coronavírus e o Senegal regista 99 casos e o estado de emergência já foi declarado.

Com grandes fragilidades sanitárias, sem meios para responder a uma pandemia desta dimensão se o número de casos começar a aumentar rapidamente, como tem vindo a acontecer em muitos países, a Guiné-Bissau está muito vulnerável, principalmente porque as pessoas continuam a manter os mesmos comportamentos.

“Menos de 50% dos guineenses sabe o que é o coronavírus”, disse Albano Barai à DW, e “há muita gente a desobedecer às medidas de prevenção”. Os bares continuam a registar muito afluência, com grandes aglomerações de pessoas em pequenos espaços.

A crise política no país e a demissão do governo eleito de Aristides Gomes pelo autoproclamado Presidente parou algumas das acções que já estavam a ser levadas a cabo para melhor preparar o país para responder à pandemia de covid-19.

Idriça Djalo, líder do Partido de Unidade Nacional e ex-candidato à presidência, propôs na segunda-feira aos partidos com assento parlamentar e ao autoproclamado Presidente e ao seu governo um pacto nacional que permitisse conjugar esforços para lidar com a ameaça à saúde pública pondo de parte as diferenças políticas durante o tempo da pandemia.

É a sobrevivência do nosso país, é a sobrevivência da Guiné-Bissau que está em causa. Se não dermos este passo, se continuarmos a acusar-nos mutuamente, o coronavírus não vai escolher quem é mau e quem é bom”, disse Djalo ao PÚBLICO.

Sissoco Embaló pediu o esforço a todos os guineenses para combater a pandemia, avisando que a quantidade de infectados pode aumentar substancialmente.

De acordo com a Lusa, as autoridades decidiram esta terça-feira reduzir o número de passageiros nos transportes públicos para tentar minimizar o contágio.