Uma família portuguesa em veleiro pelo mundo: “Até nos perguntam como entreter os filhos duas semanas em casa”

Dar a volta ao mundo num veleiro era um velho sonho que decidiram realizar em família. Rute Gonçalves, João Monarca e os três filhos, Marta, Afonso e Cármen, partiram no ano passado e, desde então, partilham aventuras na página “5 a bombordo”. Rute dá voz aos cinco para a Fugas a partir de Cartagena, na Colômbia.

Foto
DR

Somos uma família de cinco (pais e três crianças) e estamos a viajar no nosso veleiro desde Julho de 2019. Chegámos às Caraíbas no dia 24 de Dezembro e passámos os últimos meses a conhecer 12 das muitas ilhas que existem no mar das Caraíbas. Actualmente estamos na Colômbia, onde chegámos no dia 11 de Março.

Temos acompanhado de perto e obviamente com preocupação a evolução desta pandemia com dimensões que não têm precedentes nos últimos anos. Diria que é a crise de saúde mais grave que a minha geração alguma vez viveu.

Foi recentemente, na nossa chegada à Colômbia, que sentimos de forma mais efectiva a existência de mecanismos para evitar a propagação do vírus. Dada a dimensão do país, a Colômbia apresenta um número relativamente reduzido de casos (34 até ao momento). Apostaram em procedimentos de controlo dos visitantes bastante rigorosos e quase todos os dias têm ajustado as medidas.

Foto
DR

No nosso caso, que chegámos ao país de barco, já passava da uma da manhã e recebemos uma comunicação via rádio da guarda costeira. Tivemos autorização para ancorar na baía de Santa Marta e no dia seguinte entrámos de barco na marina. Fomos recebidos por um marinheiro com máscara e luvas colocadas. Na operação de atracagem, para facilitar a manobra, eu, Rute, saltei do barco para o pontão, e o funcionário da marina informou que tinha que regressar ao barco e que só poderia sair depois de uma visita das autoridades locais para avaliar o estado sanitário da tripulação do Domum. E assim foi.

Cerca de uma hora depois tivemos a bordo uma equipa de dois elementos da direcção da saúde que fez um questionário sobre o nosso itinerário (os últimos dez portos onde tínhamos estado) e perguntas sobre o estado de saúde de cada membro da tripulação, verificaram a febre de todos e efectuaram uma inspecção de higiene ao barco. Cerca de 45 minutos a bordo, e como estávamos todos bem de saúde, recebemos luz verde para sair do barco e efectuar o procedimento normal de entrada no país. Foi-nos explicado o ponto de situação do vírus na Colômbia, que a cidade em que estávamos não tinha nenhum caso reportado e que Cartagena, cidade onde estamos neste momento, apenas tinha um infectado. Percebemos que quem pretendia entrar no país vindo de países mais afectados (que não era o nosso caso) deveria ficar 14 dias em quarentena, no hotel ou noutro alojamento, um convite a não viajarem para cá! Confesso que este apertado controlo nos tranquilizou no dia da chegada.

DR
DR
DR
Fotogaleria
DR

Depois deste procedimento, nos primeiros dias no país não sentimos quase sinais do vírus. Observámos alguns avisos sobre questões de higiene, mas a Colômbia estava a funcionar a 100%, ao nível de escolas e restantes serviços, e a vida das pessoas parecia não se ter alterado.

Considerámos que poderíamos visitar o país tomando obviamente medidas de protecção. Levámos mais à risca as questões de higienização das mãos, colocámos a uso o gel desinfectante que tínhamos a bordo, ingerimos bastante água e na viagem de autocarro (minivan) para Cartagena optámos os cinco por colocar máscaras, uma vez que o ambiente é bastante fechado (usamos as que tínhamos a bordo, guardámos muitas que tínhamos das obras do barco), olhavam para nós como se estivéssemos infectados! Evitámos também circular em locais com mais aglomeração de pessoas e menos ventilados. Hoje, dia 16 de Março, a situação já se alterou. Apesar da propagação se manter sem grande evolução, o país fechou as fronteiras e anteciparam as férias da Páscoa nas escolas.

Após a nossa estadia, que tínhamos programado de cinco dias à Colômbia, pretendíamos seguir para San Blas, um arquipélago de ilhas no Panamá, mas já nos informámos que, pela sua dimensão, e eventual dificuldade em controlar as entradas, fecharam os portos. Assim, teremos que seguir directamente para Cólon, onde pretendemos atravessar o canal do Panamá. Inicialmente informaram-nos que nos podiam receber, estando sujeitos a uma inspecção idêntica à realizada aqui na Colômbia, mas estão agora a tomar medidas mais rígidas e aparentemente teremos que fazer quarentena de 14 dias a bordo antes de pisar o país, após os cerca de três dias de viagem para lá chegar.

Falando com familiares e amigos, sabemos que em Portugal as medidas tomadas são mais efectivas dada a gravidade da situação, muitos dos nossos amigos estão em casa com os filhos, e em tom de brincadeira até nos perguntam como entretê-los duas semanas em casa! Viajando num veleiro, passamos bastante tempo isolados em travessias (a do Atlântico foram 14 dias, e a maior que se segue, do Pacífico, será perto de 30 dias), no nosso caso sem a ansiedade do que se está agora a passar, mas a vivermos os cinco numa área de cerca de 40m2 , com electricidade e água condicionada, sem TV e sem acesso ao que nos nossos dias parece ser um bem precioso e imprescindível, a Internet! Vivemos com o balançar do barco, dias em que não conseguimos cozinhar, estudar ou brincar. Fazemos turnos nocturnos de três em três horas. Olhar as estrelas e imaginar imagens nas nuvens passou a ser programa familiar.

Foto
DR

Foi uma escolha. É duro, cansativo, por vezes aborrecido, mas chegámos ao destino juntos e mais unidos. A próxima quarentena sabemos que não vai ser uma escolha, e a perda de liberdade é talvez o que mais custa. A perspectiva muda. Mas continuamos juntos e com saúde e nesta fase é o que mais importa.

Esperamos que todos vocês se encontrem bem, junto das famílias os que tiverem esse privilégio, e que aproveitem este tempo difícil para viver mais devagar, agora que muitos temos o tempo que todos os dias nos voava das mãos.

Este texto foi enviado no dia 16 de Março de 2020